Dicas para melhorar seu inglês

Como melhorar seu ingles
Foto: Reprodução Vocepodefalaringles

Confira as dicas de uma especialista em língua inglesa para aperfeiçoar seu inglês.

Morar em novo país, trabalhar em uma multinacional, crescer profissionalmente. Falar inglês é mais do que fundamental nos dias de hoje. Se você quer aprender inglês ou treinar um novo idioma, confira a entrevista que fizemos com a Professora Mestre em Língua Inglesa, Marta Helena Caetano.





A melhor forma de aprender inglês

Para Marta, as melhores formas de aprender ainda são: estudar e se expor ao novo idioma. O processo deve ser o mais natural possível, porém não há milagres prontos, não há como aprender um idioma com um passe de mágica. Para aprender um idioma (seja qualquer um) temos que estar dispostos a estudar, praticar e nos arriscarmos! Esta é a grande diferença entre adultos e crianças, as crianças se arriscam, aprendem sem grandes medos de errar.

Treinando seu inglês no dia a dia

Hoje ficou muito mais fácil com advento da internet. Podemos encontrar uma série de diferentes sites e muitos deles excelentes para aprimorar a compreensão auditiva (com exercícios, filmes, músicas, etc), compreensão leitura, escrita e até a fala, cobrindo assim as quatro habilidades. Não se aprende um idioma, especialmente, na idade adulta sem estudar as estruturas gramaticais. A importância da gramática em qualquer língua, seja ela materna ou estrangeira, não pode ser esquecida ou negligenciada.

Quanto mais o aluno for exposto ao idioma melhor! “Practice makes perfect”.

Melhor forma de praticar um novo idioma

O ideal é aprendermos ou estarmos expostos as quatro habilidades (skills) ao mesmo tempo. Há sempre uma que nos parecerá mais fácil e sendo assim mais prazerosa no processo de aprendizado.

Por experiência, a grande maioria dos alunos acham o “reading” (compreensão textual) a mais fácil de todas. Todas as habilidades devem ser praticadas de forma concomitante, porém o aluno deve ter um foco, qual a ou habilidade(s) alvo e praticá-la(s) com mais intensidade. Por exemplo, se a necessidade é escrever e responder e-mails… O foco será gramática e produção textual (writing) e consequentemente o compreensão textual (reading). O aprendizado forma um ciclo dinâmico, uma habilidade leva a outra e assim por diante. Sempre como alvo a proficiência no novo idioma.

banner-maine

Treinando diariamente 

Quanto mais exposto você tiver ao idioma, melhor! Hoje, a internet é um universo maravilhoso para o estudo e aperfeiçoamento no aprendizado de línguas. Seja com jogos, exercícios variados, leituras, filmes em inglês, músicas e áudio-books, etc.

Perdendo a vergonha

Para nós adultos há sempre os fatores: a “vergonha” de pagar mico e a expectativa de após algum tempo estudando um idioma estar apto a dominá-lo tão bem quanto o materno. Não é assim, infelizmente! O processo pode ser prazeroso mas exige dedicação, prática, disciplina e estudo. Não acontece magicamente, não há fórmulas miraculosas! E cada aluno tem seu ritmo. Quanto ao fator “vergonha”… você tem que estar disposto a cometer erros e não se intimidar com os prováveis “micos”, sempre perguntar quando não entender e procurar aprender com os erros sem “dramas”.

Estudar inglês fora do país

Para estudar fora do país e aproveitar o máximo a experiência de aprimorar o aprendizado e mesmo a viagem, a professora Marta Helena Caetano diz que é preciso sair com uma boa base é essencial para o sucesso da experiência. Há uma enorme diferença em chegar num lugar entendendo e sendo entendido do que ficar grande parte do tempo “perdido” por problemas de comunicação.

Melhor idade para entrar em uma escola de inglês

Quanto mais cedo melhor não há duvida! Hoje em dia, há escolas muito boas que ensinam Inglês a partir dos dois anos, por exemplo. Com um trabalho sério e bem fundamentado a experiência torna-se muito prazerosa e praticamente orgânica para os pequenos. Ainda há um mito que o aprendizado de dois idiomas eventualmente atrapalharia o processo de aquisição e principalmente de alfabetização. A mistura é normal, mas nada que com um bom trabalho feito na alfabetização do idioma materno criará problemas com o novo idioma ou vice versa.

Temos sempre que procurar bons profissionais, preparados pedagogicamente e boas metodologias de ensino e aprendizagem. Não adianta saber “falar” ou ter vivido no exterior e de repente achar que ensinar é “fácil e simples”, não é! Você (professor ou futuro professor) precisa estar em contínuo aperfeiçoamento e se preparar com seriedade e responsabilidade!

banner-sair-do-pais

Sobre Marta Helena Caetano

É formada em Letras pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Possui especialização em Metodologia do Ensino em Língua Portuguesa/Estrangeira e Metodologia no Ensino de Língua Inglesa. Possui Mestrado em Letras em Teoria Literária. Tem experiência na área de Línguas Estrangeiras, com ênfase em Língua Portuguesa para Estrangeiros e Língua Inglesa, atuando principalmente nos seguintes temas: marcas culturais textuais, cinema (adaptação), fonética da língua inglesa, análise crítica do discurso, ensino e aprendizagem em língua estrangeira, tradução/versão de textos, letramento literário e formação de professores em Língua Inglesa.

Atualmente é docente da Fundação Universidade Regional de Blumenau na área de Língua Inglesa e Português como Língua Estrangeira. Também é coordenadora PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência – Projeto Interdisciplinar Linguagens – FURB – CAPES).