Alemanha está em busca de profissionais estrangeiros

Trabalho na Alemanha
Foto: Pixabay

Saiba quais são as profissões em alta na Alemanha e como se candidatar.

Mesmo com a crise migratória na Europa ter colocado a imigração em massa na mira de muitos líderes e políticos europeus, a Alemanha está em busca de profissionais qualificados. O país precisa de mão de obra com urgência e por isso precisa de trabalhadores estrangeiros que tenham qualificação. Confira todos os detalhes para trabalhar na Alemanha.





Economia da Alemanha em expansão

De acordo com uma publicação do Jornal O Globo, existem mais de 1 milhão de vagas na Alemanha para serem preenchidas, porém por conta da falta de profissionais qualificados, a missão se torna quase que impossível e o jeito é “importar” mão de obra especializada.

Para tentar amenizar esse problema, o Parlamento Alemão está estudando a aprovação de uma lei que vai providenciar uma imigração controlada de profissionais de todos os níveis de formação. Porém, entre os mais procurados estão engenheiros, médicos, enfermeiros, cuidadores de idosos e técnicos em informática.

Visto para morar na Alemanha: descubra como fazer.

Nova lei de imigração qualificada na Alemanha

Os profissionais altamente qualificados, de acordo com a nova lei, continuarão tendo a contratação feita diretamente através das empresas. Já os profissionais sem formação superior (mecânicos, cozinheiros, motoristas e etc.) terão o processo de contratação controlado pela agência federal alemã do trabalho.

Além disso, o projeto de lei prevê que, caso o profissional contratado perca o emprego, ele precisará encontrar outro trabalho no período de um ano. Caso o trabalhador fique cinco anos empregado, ele poderá solicitar o visto permanente definitivo da Alemanha.

A Confederação Alemã das Câmaras da Indústria e do Comércio (DIHK) acredita que a nova lei de imigração deve entrar em vigor até o final de 2018.

Descubra quanto ganham os profissionais na Alemanha.

Área da saúde em alta

Para Jörg Leifeld, diretor hospitalar de um hospital no norte do país, a contratação de médicos estrangeiros é uma necessidade premente no sistema de saúde da Alemanha, isso porque a quantidade de profissionais precisa aumentar 40% rapidamente para dar conta de atender a demanda.

Uma grande dificuldade, como refere Leifeld, é que os profissionais de saúde precisam ter domínio completo de alemão para poderem atuar no país europeu.

Inglês é suficiente? curta-fanpage

Sim, no caso dos profissionais da área da engenharia e da tecnologia, ser fluente em inglês já é o suficiente para que estes possam trabalhar na Alemanha.

Veja também: multinacional alemã tem 1,7 mil vagas na BASF.

O aprendizado do alemão acontece posteriormente no caso destes profissionais, pois geralmente as empresas que os contratam oportunizam cursos da língua.

Como trabalhar na Alemanha

Atualmente o “cartão azul” permite que profissionais altamente qualificados que não sejam europeus recebam visto de residência na Alemanha, porém é necessário comprovar um salário anual de € 50 mil (cinquenta mil euros – mais ou menos € 4,2 mil (quatro mil e duzentos euros) mensais).

Também pode te interessar: Bayer tem 785 vagas abertas na Alemanha, Estados Unidos e Holanda.

Profissionais qualificados são bem-vindos

A Alemanha está em busca de profissionais qualificados e os mais cobiçados são aqueles com formação na área de informática, engenharia (mecânica, elétrica e automotiva), enfermagem e medicina.

Como referido, para os profissionais de saúde o domínio da língua alemã é indispensável, porém para os que atuam nas outras áreas o inglês fluente é aceito.

Se você se encaixa no perfil e pretende encontrar alguma vaga na Alemanha, utilize a palavra “fachkraefte” na busca por vagas em sites de emprego no país, pois ela significa mão de obra especializada em alemão e, dessa maneira, você encontrará mais resultados. Boa sorte!

Veja também: Alemanha tem mais de 700 mil vagas de emprego, confira as empresas que estão contratando.



Amanda Corrêa

Amanda é brasileira, jornalista, mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Mora desde 2014 em Portugal. Atua há 13 anos na área de Jornalismo e Comunicação Social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *