Sem drama: saiba como estudar inglês e trabalhar no exterior

Estude ingles e trabalhe no exterior sem dramas
Foto: Reprodução Wallpapercave

Países como Austrália, Irlanda, Nova Zelândia e Emirados Árabes (Dubai) permitem que os estudantes dos cursos de idiomas trabalhem de forma legal.

Trabalhar durante o intercâmbio é uma forma de colocar o aprendizado da língua em prática e ainda ganhar uma grana para auxiliar nos custos da viagem. Países como Austrália, Irlanda, Nova Zelândia e Emirados Árabes (Dubai) permitem que os estudantes dos cursos de idiomas trabalhem de forma legal.

Foto: Arquivo
Foto: Arquivo

Para receber a permissão, os interessados devem aplicar o visto de estudante dessas nações. Como o período necessário de estudo para o visto e a carga horária de trabalho permitida variam entre os países, é indicado ao estudante avaliar qual dos destinos é o mais indicado aos seus interesses. Para auxiliar os intercambistas nessas escolhas, a TAW Intercâmbios tem consultores altamente preparados que irão tirar as dúvidas, indicar as melhores instituições de ensino e acompanhar o estudante até seu embarque e chegada ao destino escolhido.

Para trabalhar na Austrália e Nova Zelândia é necessário adquirir um curso de inglês de no mínimo 14 semanas. Para Dubai é indicado 12 semanas de aula. Já no caso da Irlanda, o estudante deve contratar um curso de 25 semanas (o qual dá direito a dois meses de férias). O visto da Austrália, dos Emirados Árabes (Dubai) e Nova Zelândia é feito antes do embarque, enquanto o da Irlanda é feito após a chegada ao país.

A carga horária de trabalho permitida durante o período de aula é de 20 horas semanais na Austrália, Irlanda e Nova Zelândia. Nas férias é possível trabalhar sem limite de horas na Austrália (normalmente a Embaixada dá um mês a mais de visto do tempo do curso) e até 40 horas semanais na Irlanda (mas as férias terão de ser entre 15/12 e 15/01 ou de junho a setembro). Na Nova Zelândia não há período de férias para menos de 12 meses de estudo. Em Dubai, o estudante pode trabalhar sem carga horária definida e a mudança de visto de estudo para trabalho é facilitada.

O paulista Raul Pereira que ilustra o texto com suas fotos, de 26 anos, optou pela Irlanda, onde morou durante nove meses. Durante a estadia no país, o jovem trabalhou como cleaner, fazendo limpeza em diferentes casas irlandesas. “Sem dúvida foi uma experiência que mudou minha vida em muitos sentidos, evolui como pessoa, como profissional. Fora que me ajudou muito no meu inglês”, conta ele. 





Outras modalidades de intercâmbio

Para quem já tem um bom nível de inglês, o Canadá é uma possibilidade. O país permite aos estudantes dos Colleges (uma espécie de curso técnico, que fica entre o Ensino Médio e a Universidade) trabalhar 20 horas semanais durante o período letivo. No entanto, é necessário ter um conhecimento da língua inglesa, com um nível acima de intermediário para se candidatar a um College e o tempo mínimo é de 30 semanas de aula. Os cursos são divididos entre uma parte teórica e outra de estágio (que pode ser ou não remunerado).

Foto: Arquivo
Foto: Arquivo

Além dos programas de estudo e trabalho, a TAW oferece outras modalidades de intercâmbio. É possível fazer um curso de curta duração, para aqueles que desejam aprender um outro idioma nas férias (de um a cinco meses) e até mesmo fazer parte ou todo o Ensino Médio em outro país, nos programas de High School. A agência possui escolas e universidades parceiras na América do Norte, América Central, América do Sul, Europa, África, Ásia e Oceania. Além dos cursos, a TAW Intercâmbios oferece o serviço de acomodação (casa de família, residência estudantil, hostel), seguro saúde, receptivo no aeroporto e passagens aéreas.

Fundada em 2012 no interior de São Paulo, a TAW Intercâmbios atua nas cidades e endereços:

São Carlos-SP: Rua Adão Pereira de S. Cabral, 777 – Centro. (16) 3372-0322 | (16) 3307-5474

Caxias do Sul-RS: Rua Sinimbu, 35 Loja 8 – Frente BR-116. (54) 3028-4880 | (54) 3028-2556

Para saber mais acesse o site da TAW Intercâmbios e boa viagem!

*Este artigo foi patrocinado pela TAW Intercâmbios.