Morar fora: a pior das cirurgias

Morar fora Claudio Abdo
Foto: Pixabay

Quando a gente vai morar fora, muita coisa já mudou e outras tantas mudanças ainda estão por vir. É o emprego que fazia tempo que não servia mais, é o relacionamento que estava na corda bamba, é a nossa paciência que foi para as cucuias.





Precisamos do novo

Partimos porque buscamos novidades e queremos sentir, de novo, o gostinho das conquistas. Precisamos de um novo trabalho que nos mostre o quanto ainda somos produtivos, queremos sentar num pub para trocar olhares descompromissados, devagarinho a nossa paciência vai voltando e assistir a um pôr-do-sol já acontece sem culpa e sem olhadas para o relógio.

É o novo e o novo não é para qualquer um. Dá medo, nos enche de receio, nos deixa de cabeça quente e coração acelerado. E viver o novo também, na maioria das vezes, significa recomeçar. Morar fora é, antes de tudo e de qualquer coisa, um recomeço.

Para uns pode ser um recomeço mais de boa, mas para tantos outros é montar num touro em uma arena de rodeio. É em disparada, aos solavancos. Até aí tudo bem, pois já meio que sabemos que sair da zona de conforto é, inevitavelmente, passar de avião por nuvens turbulentas durante a decolagem.

Morar fora: excesso de ontem, excesso de hoje e excesso de amanhã.

A cirurgia que vai mudar sua vida morando fora

Porém, depois que as coisas começam a se acalmar é que acontece a pior das cirurgias. Sim, morando fora você terá que fazer uma cirurgia hiper invasiva que vai abrir o seu abdômen de fora a fora. É uma cirurgia grave, feita para a retirada total do rei que vive na sua barriga.

É, aqui do lado de fora a gente precisa “esquecer” quem somos por alguns momentos ou não sobreviveremos. Não sobreviveremos porque recomeçar exige trabalhar numa área que não é a sua, porque morar fora pode significar ter que andar de busão num dia de chuva e frio e comer uma marmita que levamos de casa para o trabalho.

Ouvimos muitos “nãos”, somos subjugados, duvidam tanto da gente que nos pegamos, muitas vezes, nos questionando com lágrimas nos olhos sem entender o que viemos fazer aqui. A vontade de desistir é enorme, mas aí é que entra a pior das cirurgias.

Sim, precisamos “descer do salto” ou não aguentaremos. E muitos não aguentam, muitos voltam e mesmo que digam que foi por dificuldade de adaptação, as vezes a real é que a cirurgia para a retirada do rei barriga deles não foi bem sucedida e, com isso, voltar para o garantido é questão de sobrevivência. Deles e do rei.

Morar fora: a gente aprende a ser daqui.

Os arrogantes não sobrevivem

Aqui os arrogantes não costumam sobreviver por muito tempo. Do lado de cá você não é ninguém e precisa comprar um livro e uma caneta novos para recomeçar a escrever a sua história. É do zero. A viagem de vinda não deixa de ser um trajeto do tudo para o nada.

Em poucas horas você entra num avião cheio de histórias, viaja pensando no seu futuro, pousa no seu destino e zera a sua vida no desembarque. É como apertar o botãozinho de “reset”, é recomeçar. Mesmo.

Porém, muitos sobrevivem a cirurgia de retirada do rei da barriga, passam por um longo e doloroso processo de recuperação e entendem que ou é assim, com corte profundo na própria carne, com o rei sendo arrancado com raíz e tudo, ou não existe a menor possibilidade de um recomeço de sucesso.

Morar fora: se a gente não voltar.

E para morar fora precisamos de pé no chão, de luta pegada dia após dia por um lugarzinho ao sol. É levando não, é pensando em desistir, é conseguindo um novo emprego, é atuando em outra área, é contando moedas, é ralando o peito para se aguentar.

banner-quadrado-autor

E devagarinho a gente vai se aguentando e quando vê já nem pensa mais em voltar. O rei da barriga não faz falta, a gente recomeçou e a nossa vida entrou nos eixos. A gente sentiu a pior das dores, mas sobreviveu e hoje não permite que outro rei entre na nossa barriga e faça morada.

Justamente porque nos lembramos, todos os dias, do difícil e doloroso processo de despejo do rei gordo que, por algum tempo, viveu na nossa barriga. Morar fora é isso, é desapegar, é sofrer, é mudar, é crescer, é recomeçar. E uma coisa eu digo: sem rei na barriga tudo acontece de maneira muito mais fácil. Pode acreditar!

Morar fora: a jornada de quem não pode fracassar.

*Para fazer transferências internacionais de dinheiro, o Vagas pelo Mundo recomenda o site Remessa Online. Acesse o site e ganhe 10% de desconto em todas as suas transações utilizando o VOUCHER Remessa Online: vagaspelomundo.

*Para reservar hotéis com desconto, acesse o site Booking e pesquise as melhores opções de hospedagem.

*Para obter descontos de até € 41,00 euros na sua hospedagem pelo Airbnb, acesse o voucher de desconto.

*Se você vai viajar e precisa alugar um carro, nós recomendamos o site Rentalcars, ele compara os preços de diversas locadoras e você consegue economizar bastante.



Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação, faz Doutorado em Estudos de Comunicação. Apaixonado por rock and roll, conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

Um comentário em “Morar fora: a pior das cirurgias

  • 23 de maio de 2019 em 9:49 pm
    Permalink

    Cláudio, queria ter lido crônicas como a sua antes de ter tomado a decisão de ir embora. Eu fazia analogia com o parto. Mas entendi onde estava errada. Um bebê não tem história, documentos, pertences. Tua analogia é muito melhor! O Rei que habita em mim, é desconhecido e até negado (quem reconhecer ter o rei na barriga?), mas nesta hora percebemos o imenso apego que existe…
    Obrigada por tuas palavras, não torna mais fácil o processo mas é melhor quando podemos entender nossa dor!! E você ainda nos brinda com a esperança de que será melhor sem “ele”, depois!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *