Vagas em supermercado na Bélgica: são mais de 2 mil oportunidades

vagas em supermercado na Bélgica
Foto: SPAR International.

Milhares de vagas em supermercado na Bélgica estão abertas e as empresas lutam para preencher as ofertas de trabalho. Saiba mais!

Os armazéns dos supermercados na Bélgica estão lutando com a falta de funcionários. Para você ter uma ideia, as cinco maiores empresas de supermercados do país europeu estão procurando atualmente mais de 2.000 funcionários. Enquanto isso, a carga de trabalho do pessoal existente está aumentando significativamente. Saiba mais sobre as vagas em supermercado na Bélgica e os salários médios.


Vagas em supermercado na Bélgica

O aperto do mercado de trabalho na Europa está afetando quase todos os setores, mas a escassez de pessoal nos armazéns e supermercados da Bélgica está gradualmente se tornando insustentável. A Colruyt tem atualmente cerca de 700 vagas para balconistas, principalmente em Flandres e Bruxelas. As informações foram publicadas pelo jornal belga The Brussels Times.

“Como outras empresas, também estamos experimentando o impacto tardio da pandemia de COVID-19 na rotatividade de funcionários: os colaboradores enfrentam diferentes desafios em um mercado de trabalho que oferece muitas oportunidades”, disse a porta-voz Eva Biltereyst. “Além disso, algumas centenas de funcionários crescem internamente para outros cargos a cada ano”.

Vagas de emprego na Bélgica: país com número recorde de oportunidades.

Vagas em Bruxelas e Flandres

Na rede de supermercados Delhaize, gestores e sindicatos discutiram o problema no início deste mês, já que 200 vagas na Bélgica ainda não foram preenchidas. “Isso é apenas para nossas 130 lojas próprias, sem contar as 700 agências com operadoras independentes”, diz o porta-voz da companhia Roel Dekelver. “Buscamos pessoas apaixonadas por comida e atendimento ao cliente. Qualquer um que esteja entusiasmado e disposto a arregaçar as mangas é bem-vindo”.

Todas as cadeias de supermercado estão no mesmo barco, já que a empresa de mercados holandesa Albert Heijn está à procura de 390 funcionários extras para as lojas hoje, enquanto Aldi reconhece que as posições de funcionários de vendas “não são fáceis de preencher”.

A rede Aldi tem atualmente 153 vagas em Bruxelas e Flandres, enquanto também procura 30 gerentes assistentes de loja. Enquanto isso, o LIDL também procura mais 716 funcionários, dos quais 625 estão em Flandres e Bruxelas.

Emprego na Bélgica: conheça as 10 profissões onde sobram vagas.

Vagas em supermercado na Bélgica: sobram empregos no país europeu

A concorrência entre as redes de supermercado está aumentando ainda mais a dificuldade em encontrar pessoal, especialmente porque as marcas como LIDL e Aldi se tornaram mais amplamente estabelecidos nos últimos anos e novos players como Albert Heijn e Jumbo chegaram ao mercado belga. Neste mercado altamente competitivo no país europeu, o foco também está cada vez mais nas aberturas aos domingos.

“Além disso, as pessoas torcem o nariz para trabalhar no comércio”, diz Jan De Weghe, Secretário Sindical Federal de Alimentos da Associação de Empregados BBTK. “O valor do contrato deve ser aumentado”. A função de auxiliar de loja é exigente, enquanto a remuneração é inferior.

Caixas em tempo integral e outros funcionários das lojas estão entre as profissões mais mal pagas na Bélgica, ganhando em média cerca de € 2.500 euros brutos (cerca de R$ 13.500 reais).

Trabalho na Bélgica: país vai implementar semana com quatro dias.

“O setor precisa urgentemente de contratos de tempo integral, em vez de contratos de meio período com uma semana de trabalho de 24 horas”, argumenta De Weghe. “As lojas de departamento, no entanto, estão melhor com 40 funcionários em meio período do que 20 funcionários em período integral, pois as horas de trabalho dependem de vários fatores”.

*Aproveite para ouvir o Podcast Partiu Morar Fora disponível no Spotify e em diversas plataformas de streaming:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *