As cidades mais caras do mundo em 2022 para estrangeiros

cidades mais caras do mundo em 2022
Foto: Hong Kong Maritime Hub.

A lista com as cidades mais caras do mundo em 2022 para estrangeiros surge depois de uma pesquisa. Veja quais são!

Quais são as cidades mais caras do mundo para morar fora? Sem muitas surpresas, Hong Kong manteve sua posição como a cidade mais cara do mundo em 2022 para estrangeiros. E o primeiro lugar foi impulsionado por preços mais altos e uma moeda mais forte que no ano passado. Esta foi uma das descobertas da mais recente pesquisa sobre custo de vida publicada por uma instituição internacional que utiliza dados e ferramentas que ajudam a monitorar aspectos relevantes para pessoas que vivem no exterior. Veja tudo a seguir.


As cidades mais caras do mundo em 2022

A pesquisa para revelar as cidades mais caras do mundo em 2022 para estrangeiros foi realizada pela ECA International. A empresa é a maior fornecedora mundial de conhecimento, informações e software para gerenciamento e alocação de funcionários em todo o mundo. Sobre Hong Kong, Lee Quane, diretor regional para a Ásia da ECA International, disse: “embora Hong Kong tenha sido menos impactado pelo aumento da inflação global do que outros locais regionais e globais no ano passado, continua sendo o local mais caro do mundo”.

Ele disse ainda que “os aumentos de preços ano a ano de 3%, medidos pela nossa cesta de bens e serviços, são mais altos do que normalmente vemos em Hong Kong, mas são mais baixos do que as taxas em cidades semelhantes, tanto na região quanto no mundo. Em vez disso, foi a força do dólar de Hong Kong, que está atrelado ao dólar americano, no ano passado, que permitiu manter sua posição como o local mais caro do mundo, pois outras moedas enfraqueceram”.

Leia também: 10 melhores países para imigrar e juntar dinheiro.

Destaques da Ásia

Muitos países e cidades na Ásia sentiram taxas de inflação acima da média nos últimos 12 meses. O local que viu a taxa mais rápida de crescimento de preços no ano passado foi Colombo, capital do Sri Lanka, fazendo com que subisse 23 lugares no ranking da ECA para 149 globalmente. “A escassez de suprimentos para alguns itens essenciais devido à falta de moeda estrangeira resultou em aumentos de preços de mais de 15% na época da pesquisa em relação ao ano anterior”, disse Quane.

Ele disse ainda que “os protestos, que surgiram em resposta aos preços mais altos, levaram à renúncia de importantes figuras do governo, principalmente o primeiro-ministro do país”. Muitas cidades da China continental continuaram a subir no ranking, com quatro cidades agora incluídas nas 15 cidades mais caras do mundo, enquanto Shangai também é agora a terceira cidade mais cara da Ásia depois de Hong Kong e Tóquio.

O diretor regional para a Ásia da ECA International afirmou ainda que “a maioria das cidades da China continental em nosso ranking têm taxas de inflação mais altas do que estamos acostumados a ver, mas ainda são tipicamente mais baixas do que em outras partes da Ásia. Portanto, a principal razão para sua ascensão no ranking foi a força contínua do yuan chinês em relação a outras moedas importantes, devido ao desempenho econômico relativamente forte da China durante o período da pesquisa, o que torna essas cidades mais caras em relação a outros locais”.

Quer mudar de país? Então descubra por onde você deve começar.

Taiwan e Singapura

Uma história semelhante foi vista em Taiwan, com todas as cidades pesquisadas subindo no ranking devido em grande parte à força contínua do dólar de Taiwan em relação a outras moedas, o que refletiu a economia dinâmica. A classificação de Singapura permaneceu inalterada em 2022, apesar dos aumentos significativos de preços nos últimos 12 meses, com os custos de aluguel de moradias, serviços públicos e preços de gasolina apresentando um crescimento particular

“O fato de Singapura ter mantido sua classificação como o 13º local mais caro do mundo, apesar da inflação acima da média de 5%, alimentada pelo aumento dos custos de aluguéis, serviços públicos e gasolina, é porque o dólar de Cingapura enfraqueceu em relação a outras moedas regionais, como o yuan e o dólar americano, principalmente devido a uma forte desaceleração na fabricação e nas exportações durante a última parte do período da pesquisa”, informou Quane.

Veja também: 10 coisas que você deve planejar antes de sair do país.

Japão com custo mais baixo em relação aos outros anos

As cidades japonesas caíram nas últimas classificações, pois o iene enfraqueceu devido à inflação inesperadamente mais alta, juntamente com taxas de juros negativas. Tóquio caiu três lugares para o quinto lugar no ranking global, enquanto outras cidades japonesas apresentadas no ranking também caíram.

Quane disse: “Embora os preços tenham subido no Japão a taxas altas em comparação com as normas recentes para o país, as cidades japonesas são mais baratas em relação a muitos outros locais em todo o mundo. Isso ocorre porque o iene enfraqueceu ao longo do ano passado, pois os EUA e outros países aumentaram as taxas de juros para combater a inflação, enquanto as taxas no Japão permanecem negativas. O iene mais fraco torna as mercadorias relativamente mais baratas para visitantes e trabalhadores expatriados pagos em outras moedas, pois seu dinheiro agora vai mais longe”.

Leia mais: 10 dicas para mudar de país e morar no exterior.

As cidades mais caras do mundo em 2022: destaques globais

A maioria das cidades na União Europeia tiveram quedas nos rankings após um período instável para o euro, com Paris saindo do top 30 global e cidades como Madri, Bruxelas e Roma caindo também.

Para Quane, isso ocorre porque “quase todas as grandes cidades da zona do euro viram uma queda no ranking este ano, pois o euro teve um desempenho pior nos últimos 12 meses do que o dólar americano e a libra esterlina. A fraqueza do euro foi causada principalmente pelas expectativas do mercado de que o Banco Central Europeu elevasse as taxas de juros mais lentamente do que seus pares”

Moscou caiu um lugar para 62º no ranking, enquanto São Petersburgo permanece inalterado em 147º. “Na época da pesquisa, o rublo despencou em valor, pois as sanções econômicas contra a Rússia por sua invasão da Ucrânia abalaram a confiança na economia. As sanções e a desvalorização da moeda ajudaram a elevar a inflação que contrariou as perdas cambiais, deixando o país estável no ranking geral”, disse Quane.

Morar e trabalhar na Dinamarca: país quer facilitar a solicitação de residência permanente.

10 cidades mais caras para estrangeiros em 2022

Confira abaixo a lista com as 10 cidades mais caras do mundo para estrangeiros em 2022:

  1. Hong Kong
  2. Nova York (EUA)
  3. Genebra (Suíça)
  4. Londres (Inglaterra)
  5. Tóquio (Japão)
  6. Tel Aviv (Israel)
  7. Zurique (Suíça)
  8. Shangai (China)
  9. Guangzhou (China)
  10. Seul (Coreia do Sul)

As cidades mais caras do mundo em 2022: sobre o ranking

As classificações de custo de vida da ECA International combinam a pesquisa de custo de vida e acomodação da ECA para permitir uma comparação dos custos enfrentados por expatriados em todo o mundo em 207 cidades em 120 países e territórios. Essa comparação de custo de vida é calculada sobre uma base composta por vários países desenvolvidos e é usada para refletir um estilo de vida internacional. Outros índices disponíveis na ECA refletem comparações específicas de cidade a cidade e diferentes níveis de eficiência de compras.

Você viu? 12 cidades com qualidade de vida em Portugal.

A pesquisa de custo de vida da ECA International é realizada em março e setembro usando uma cesta de bens e serviços do dia-a-dia comumente adquiridos pelos cidadãos estrangeiros. Os dados utilizados referem-se ao período de coleta de dados de março de 2022 com alterações em relação ao período de março de 2021. O ranking de custo de vida da ECA começou em 2005.

A ECA International realiza pesquisas sobre custo de vida há 50 anos. Ela realiza duas pesquisas principais por ano para ajudar as empresas a calcular os subsídios de custo de vida para que o poder de compra de seus funcionários seja protegido durante uma missão internacional.

As pesquisas comparam uma cesta de bens de consumo e serviços semelhantes comumente adquiridos por estrangeiros que participam das pesquisas em mais de 490 cidades em todo o mundo. Os dados de acomodação da ECA também são considerados, comparando os custos de aluguel em áreas normalmente habitadas por funcionários expatriados em mais de 410 cidades em todo o mundo.

*Veja também como conseguir um emprego no exterior ainda estando no Brasil:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *