Cuidado com a impulsividade, ela pode comprometer o seu propósito

impulsividade
Foto: Andrea Piacquadio – Pexels.

Na eminência de resolvermos as questões do nosso jeito, tendemos a não enxergarmos com clareza e assertividade. Por isso, tenha cuidado com a impulsividade.

Estamos vivendo dias tão incertos que por vezes acabamos desenvolvendo uma ansiedade generalizada e um senso de urgência para situações simples e as vezes necessárias. Mas precisamos estar atentos às variações de humor, comportamento e aceleração dos nossos pensamentos, pois são fatores que podem comprometer o nosso equilíbrio e bom senso.


Cuidado com a impulsividade, ela pode comprometer o seu propósito

É imperativo que tenhamos uma visão clara sobre as coisas e que assim possamos entender que nada deve ser urgente. Principalmente aquilo que pode comprometer o nosso propósito. 

Quando possuímos o desejo de morar fora do Brasil, parece que tudo a nossa volta nos remete a esse desejo, nossa atenção se volta para políticas exteriores, economia mundial, segurança, questões de imigração, desenvolvimento educacional. E todos os assuntos relacionados às questões que podem me oferecer segurança, conforto e liberdade.

Quando alguma questão que excede o nosso poder de influência surge para comprometer os nossos objetivos, tendemos a agir com impulsividade para não perdermos oportunidades. Ou então, não ficarmos com a sensação de prejuízo, a falta de autoconhecimento pode ser um adicional para nos atrapalharmos e agirmos de forma impensada. 

O que está faltando para você perceber que precisa redefinir a sua rota?

Pensamento acelerado e ansiedade no exterior

Se você já está fora do Brasil, certamente você já viveu a síndrome do pensamento acelerado, conhece o significado da ansiedade e já experimentou agir por impulso, mas claro que também já se deu conta que agir de forma impensada possui um preço muito mais alto.

Afinal de contas você está longe de casa, vivendo em uma outra cultura, certamente com uma baixa rede de apoio e para completar, vivendo em outra moeda. A pandemia nos trouxe muitas oportunidades para revermos a vida, assim como nos deixa em estado de alerta, como por exemplo: “se algum familiar meu adoecer, volto imediatamente para o Brasil”…

Pensamentos como esses podem passar em sua mente e por um lapso de tempo podes acreditar que faz todo sentido tomar essa decisão, mas precisamos de muita calma nesta hora. 

Já falamos por aqui sobre a importância de entendermos o que estamos fazendo e o que nos trouxe até onde estamos. Por isso precisamos pensar 10 vezes antes de tomarmos uma decisão precipitada e comprometer o nosso propósito.

Quando pensar em desistir, lembre do que te trouxe até aqui.

A depender do país em que você esteja, sair dele neste momento pode implicar em ter dificuldades para retornar, dada a realidade que estamos vivendo, mesmo que você possua alguma dupla nacionalidade.

Outra coisa a pensar é sobre a eficácia da sua presença no Brasil, dada a realidade em que o país está vivendo, talvez a melhor coisa a ser feita é ficar onde está. E dessa forma, encontrar outras formas, seguras, para contribuir na vida daqueles que você ama. 

Portanto, acalme o coração, relaxe a mente e busque olhar para sua realidade com clareza, assertividade e sabedoria.  E lembre-se: não há facilidades para realização dos nossos sonhos.

*Caso você deseje me acompanhar pelas redes sociais, sugerir novos conteúdos e conferir mais dicas como essas, acesse o meu Instagram. Fale comigo também pelo WhatsApp.

Vitor Luz

Vitor Luz possui formação em Jornalismo e Psicologia e ao longo da sua trajetória profissional pode se dedicar a busca de novos conhecimentos e fez uma formação em Inner Vision, Programação Neurolinguística – PNL e Certificação Internacional em Master Coaching Mentoring e Holomentoring – ISOR. Atualmente mora na cidade do Porto em Portugal para fazer um Mestrado em Psicologia, na área da Psicogerontologia. Enquanto Psicólogo Nômade Digital realiza atendimento online para brasileiros espalhados pelo mundo, os auxiliando a lidar com a saudade, medo, solidão, desilusões amorosas, relacionamentos afetivos e transição de carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *