Imigração na Nova Zelândia: o que muda a partir de novembro de 2021

imigração na Nova Zelândia
Foto: Princeton Group Sports.

Veja o que muda na lei da imigração na Nova Zelândia para os novos moradores. 

A Nova Zelândia é um destino muito interessante para morar no exterior. Porém, algumas regras de Imigração na Nova Zelândia irão mudar a partir do mês de novembro desse ano. O país vai se tornar mais seletivo aos novos moradores internacionais. Veja a seguir o que muda para quem deseja morar na Nova Zelândia.


Imigração na Nova Zelândia: o que muda a partir de novembro de 2021 

A principal mudança para imigração na Nova Zelândia será o Visto de Trabalho de Empregador Credenciado (Accredited Employer Work Visa), que as empresas terão obter para contratar profissionais internacionais. 

O novo visto único itá substituir 6 tipos de vistos temporários: Visto de Trabalho de Competências Essenciais, o Visto de Trabalho de Competências Essenciais – aprovado em princípio, o Visto de Trabalho de Talento (Empregador Credenciado), o Visto de Trabalho de Lista de Escassez de Competências a Longo Prazo, o Silver Fern Job Search Visa (que não está mais em funcionamento desde outubro de 2019) e o Silver Fern Practical Experience Visa. 

Entretanto, o visto de estudante, visto de trabalho de férias e vistos de trabalho de parceiro não serão alterados. 

Veja 5 dicas para morar no exterior.

O que muda para quem vai trabalhar na Nova Zelândia

Para as empresas, haverá três etapas essenciais antes da contratação de profissionais estrangeiros. Na primeira etapa, o empregador terá que solicitar um visto para Nova Zelândia de acordo com o novo sistema Accredited Employer Work Visa (AEWV). Então eles serão submetidos a uma verificação do governo. Essa avaliação será feita para garantir que as habilidades exigidas para a vaga não estejam disponíveis para os cidadãos locais. Somente depois disso, o candidato poderá solicitar um visto.

Além disso, haverá mais três verificações para garantir que o candidato estrangeiro é o mais qualificado para a vaga anunciada. Em primeiro lugar, a empresa deve provar que está contratando um profissional estrangeiro com habilidades essenciais. 

Para isso, eles precisarão obter dois credenciamentos. Que será um de empregador credenciado para talentos e um para empregadores de contratação de mão de obra com habilidades essenciais. 

Entretanto, a validade dos credenciamentos só será de 12 meses e deverão ser renovados a cada dois anos. Uma vez obtidos esses credenciamentos emitidos pelo governo da Nova Zelândia, será feito um estudo de mercado para garantir que o empregador cumpriu todos os requisitos definidos.

Depois disso, o candidato deverá comprovar que atende aos critérios exigidos para a vaga de trabalho na Nova Zelândia. Entre os documentos exigidos estão: 

  • diplomas, 
  • documentos de identidade, 
  • antecedentes criminais e
  • um atestado de boa saúde. 

As taxas para o visto de trabalho para todas essas etapas ainda não foram anunciadas pelo governo. Qualquer empresa que desejar recrutar profissionais estrangeiros a partir de 1º de novembro deverão começar a se inscrever para o credenciamento a partir do final de setembro. Para obter mais informações, visite o site da Imigração da Nova Zelândia.

Veja quais os 10 empregos mais bem pagos na Austrália.

País quer dar prioridade para profissões essenciais

A Nova Zelândia está dando prioridade para uma lista de escassez de profissões. A lista das profissões desejadas para imigração incluem: 

  • Saúde, 
  • Finanças, 
  • Tecnologia da Informação, 
  • Engenharia, 
  • Entre outras.

Porém, as mudanças anunciadas se tornaram uma questão delicada para as empresas da Nova Zelândia. Principalmente com o aumento da taxa de desemprego desde o início da pandemia. Importante saber que os vistos de imigrantes qualificados está encerrada há mais de um ano, afetando de forma significativa o mercado de trabalho do país.

10 dicas para mudar de país e morar no exterior.

Mudanças para residir na Nova Zelândia em 2021

A rígida política de imigração da Nova Zelândia quer atrair os melhores talentos estrangeiros para atender às necessidades econômicas do país. Principalmente porque o país tem uma população envelhecida, como é o caso de muitos países desenvolvidos, como o Canadá. Para manter uma força de trabalho estável, o governo também está enfatizando o critério de idade, que pode influenciar na aceitação de novos moradores.

Desse modo, trabalhar na Nova Zelândia durante vários anos não significa que você pode se tornar um residente. Tudo vai depender da duração do seu visto (e dos termos dele). Por isso, vale ressaltar que o limite de idade para solicitar residência na Nova Zelândia é de 55 anos

Limite de idade

Ao solicitar a residência para morar na Nova Zelândia, você deve ter menos de 55 anos, lembrando que o processamento pode demorar um tempo. Porém, os titulares de vistos de trabalho para residência permanente podem solicitar residência na Nova Zelândia mesmo que já tenham completado 55 anos de idade.

Cidadãos estrangeiros com mais de 55 anos que estejam em um relacionamento com um cidadão neozelandês também podem ser elegíveis para um visto de parceiro. Assim pode abre o caminho para a residência, desde que este último tenha menos de 55 anos. Mas tenha muita atenção! Este visto não permite que você se aposente na Nova Zelândia.

Existe um visto de aposentado para maiores de 66 anos com validade de apenas dois anos. Mas os candidatos são obrigados a cumprir critérios financeiros para serem aceitos.

As restrições para conseguir um visto para Nova Zelândia não são impossíveis, mas com muitas regras. Para quem deseja se tornar residente do país da Oceania para pode optar pelos vistos de negócios e de investimento, por exemplo. Eles são excelentes meios para se estabelecer no país. Você pode começar o seu próprio negócio ou fazer a internacionalização da sua empresa. 

E você, já mora na Nova Zelândia? O que achou da mudança das regras de imigração?

Aproveite para ler também: Austrália: companhia aérea Qantas planeja retomar voos internacionais em julho.

Fontes: Governo da Nova Zelândia e Expat.

Amanda Corrêa

Amanda Corrêa é uma jornalista brasileira que mora no exterior há 7 anos. Possui Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Morou na Inglaterra e atualmente reside em Portugal. Atua na área de Jornalismo, produção de conteúdos e mídias sociais. Com seu trabalho, ajuda brasileiros e estrangeiros a morarem fora do país e realizarem seus sonhos!

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *