Impacto da pandemia no turismo pode chegar a mais de US$ 4 trilhões

impacto da pandemia no turismo
Foto: Haley Black – Pexels.

Impacto da pandemia no turismo pode ultrapassar os US$ 4 trilhões no PIB mundial segundo dados apresentados no relatório da UNCTAD. Leia mais!

O impacto da pandemia no turismo internacional foi calculado e pasmem: pode ser maior do que US$ 4 trilhões no PIB global. A estimativa é da UNCTAD, Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, somente para os anos de 2020 e 2021 e os dados foram levantados em um relatório publicado hoje.


Impacto da pandemia no turismo

A perda estimada foi causada pelo impacto da pandemia no turismo de maneira direta. Entretanto, o relatório mostra que ocorreu um efeito cascata que levou outros setores intimamente ligados a turismo para o abismo. O estudo, apresentado em conjunto com a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas (OMT), afirma que o turismo internacional e seus setores intimamente ligados sofreram uma perda estimada de US$ 2,4 trilhões em 2020 devido aos impactos diretos e indiretos de uma queda acentuada nas chegadas de turistas internacionais.

Uma perda semelhante pode ocorrer este ano, alerta o documento, observando que a recuperação do setor de turismo dependerá em grande parte do processo de vacinação e das descobertas de novas cepas e variantes em todo o mundo. Para a secretária-geral em exercício da UNCTAD, Isabelle Durant, “o mundo precisa de um esforço global de vacinação que proteja os trabalhadores, mitigue os efeitos sociais adversos e tome decisões estratégicas em relação ao turismo, levando em consideração as possíveis mudanças estruturais”.

Leia mais: anunciada nova rota de trem noturno do Porto para Paris.

Turismo é uma importante fonte de renda para muitas pessoas

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili afirmou que “O turismo é uma tábua de salvação para milhões, e promover a vacinação para proteger as comunidades e apoiar o reinício seguro do turismo é fundamental para a recuperação de empregos e geração de recursos muito necessários, especialmente nos países em desenvolvimento, muitos dos quais são altamente dependentes do turismo internacional”. Entretanto, o documento evidencia uma desigualdade acentuada na velocidade de vacinação entre os países.

De acordo com o relatório, a distribuição assimétrica de vacinas amplia o golpe econômico que o turismo sofreu nos países em desenvolvimento, já que eles podem responder por até 60% das perdas globais do PIB. O setor de turismo deve se recuperar mais rapidamente em países com altas taxas de vacinação, como França, Alemanha, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos, diz o relatório.

Mas os especialistas não esperam um retorno aos níveis de chegada de turistas internacionais anteriores ao COVID-19 até 2023 ou mais tarde, de acordo com a OMT. As principais barreiras são as inúmeras restrições às viagens, a baixa confiança do viajante e um ambiente econômico ruim.

Você viu? Retorno de viagens ao exterior na Irlanda anunciado pelo governo.

Perda de até $ 2,4 trilhões esperada em 2021

Uma recuperação do turismo internacional é esperada no segundo semestre de 2021, mas o relatório da UNCTAD ainda mostra uma perda entre US$ 1,7 trilhão e US$ 2,4 trilhões em 2021, em comparação com os níveis de 2019. Os resultados são baseados em simulações que capturam apenas os efeitos da redução do turismo internacional, e não políticas como programas de estímulo econômico que podem amenizar o impacto da pandemia no setor.

O relatório avalia os efeitos econômicos de três cenários possíveis – todos refletindo reduções nas chegadas internacionais – no setor de turismo em 2021. O primeiro, projetado pela OMT, reflete uma redução de 75% nas chegadas de turistas internacionais – a previsão mais pessimista – com base nas reduções de turismo observadas em 2020.

Nesse cenário, uma queda nas receitas globais do turismo de US$ 948 bilhões causa uma perda no PIB real de US$ 2,4 trilhões, um aumento de duas vezes e meia. Essa proporção varia muito entre os países, de uma a três ou quatro vezes.

queda no turismo
Fonte: UNCTAD.

Queda significativa no turismo na Turquia

Este é um multiplicador e depende das ligações para trás no setor de turismo, incluindo o desemprego de mão de obra não qualificada, de acordo com o relatório. Por exemplo, o turismo internacional contribui com cerca de 5% do PIB da Turquia e o país sofreu uma queda de 69% no número de turistas internacionais em 2020. A queda da demanda turística do país é estimada em US$ 33 bilhões e isso leva a perdas em setores intimamente relacionados, como alimentos, bebidas, comércio varejista, comunicações e transporte.

A queda total da produção da Turquia é de US$ 93 bilhões, cerca de três vezes o choque inicial. O declínio no turismo sozinho contribui para uma perda real do PIB de cerca de 9%. Essa queda, na realidade, foi parcialmente compensada por medidas fiscais para estimular a economia.

O segundo cenário reflete uma redução de 63% nas chegadas de turistas internacionais, previsão menos pessimista da OMT. E o terceiro cenário, formulado pela UNCTAD, considera taxas variáveis ​​de turismo doméstico e regional em 2021 e pressupõe uma redução de 75% do turismo em países com baixas taxas de vacinação e uma redução de 37% em países com taxas de vacinação relativamente altas, principalmente países desenvolvidos e algumas economias menores.

Veja mais: quanto custa um teste de COVID PCR nos aeroportos do mundo.

Impacto da pandemia no turismo e perdas de empregos entre países

Ainda de acordo com o relatório, a redução do turismo provoca um aumento de 5,5% no desemprego de mão-de-obra não qualificada em média, com uma variação elevada de 0% a 15%, dependendo da importância do turismo para a economia. A mão-de-obra representa cerca de 30% das despesas com serviços turísticos nas economias desenvolvidas e em desenvolvimento. As barreiras de entrada no setor, que emprega muitas mulheres e jovens funcionários, são relativamente baixas.

Não deixe de ler: viagem de trem na França, opção noturna de Paris para Nice.

Perdas piores do que o esperado anteriormente

Em julho de 2020, a UNCTAD estimou que uma paralisação de quatro a 12 meses no turismo internacional custaria à economia global entre US$ 1,2 trilhão e US$ 3,3 trilhões, incluindo custos indiretos. Mas as perdas são piores do que o esperado anteriormente, já que mesmo o pior cenário projetado pela UNCTAD no ano passado revelou-se otimista, com viagens internacionais ainda baixas, mais de 15 meses após o início da pandemia.

De acordo com a OMT, as chegadas de turistas internacionais diminuíram cerca de 1 bilhão ou 74% entre janeiro e dezembro de 2020. No primeiro trimestre de 2021, o Barômetro Mundial do Turismo da OMT aponta para um declínio de 84%.

Os países em desenvolvimento foram os que mais sofreram com o impacto da pandemia no turismo. Eles sofreram as maiores reduções nas chegadas de turistas em 2020, estimadas entre 60% e 80%. As regiões mais afetadas são Nordeste Asiático, Sudeste Asiático, Oceania, Norte da África e Sul da Ásia, enquanto as menos afetadas são América do Norte, Europa Ocidental e Caribe. Para ler o relatório completo, acesse o site da UNCTAD.

queda no turismo
Fonte: UNCTAD.

Veja também: ainda vale a pena morar em Portugal?

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *