Quarentena obrigatória na Irlanda: viajantes precisam se isolar em hotéis a partir de hoje

quarentena obrigatória na Irlanda
Foto: Euronews (Dublin, Irlanda).

Quarentena obrigatória na Irlanda entra em vigor hoje, 26 de março e exige dos passageiros reserva de 12 dias em hotel. Saiba mais!

Os passageiros que chegam de 33 países, considerados de alto risco, precisam reservar 12 dias de estadia em hotel para uma quarentena obrigatória na Irlanda. O sistema de quarentena obrigatória em hotéis designados pelo governo irlandês, com o objetivo de conter a disseminação do vírus COVID-19, entrou em vigor às 4h da sexta-feira, dia 26 de março de 2021. Viajantes do Brasil estão na lista, veja tudo a seguir.


Quarentena obrigatória na Irlanda em hotel

Passageiros que chegam à República da Irlanda de 33 países de “alto risco” devem ficar em quarentena em um hotel por 12 dias a partir de hoje, 26 de março de 2021. Pessoas que chegam de países de “alto risco” terão que completar 14 dias de quarentena obrigatória do hotel em uma instalação designada pelo governo, mas isso pode ser reduzido se um passageiro receber um resultado negativo do PCR de COVID-19, feito após 10 dias.

Também pode ser prorrogado se o teste de um passageiro for positivo durante sua estadia, mas o governo da Irlanda arcará com o custo de uma extensão além de 12 dias. Os passageiros também terão que entrar na quarentena obrigatória na Irlanda em hotel se não fornecerem evidências de que têm um resultado negativo ou “não detectado” de um teste PCR realizado no máximo 72 horas antes da chegada ao país europeu.

Veja também: empresa aérea irlandesa lança voos promocionais para os Estados Unidos.

Portal de reservas online e custos elevados

O portal de reservas online para os pacotes de quarentena começou a funcionar no último domingo, 21 de março de 2021, e na manhã de hoje 69 pessoas já haviam feito as reservas. Destes, 32 devem chegar ao país nos dias finais de março, e outros devem chegar depois, disse uma porta-voz do Departamento de Saúde do governo da Irlanda. Os 33 países considerados de “alto risco” incluem a maior parte da América do Sul e África, Emirados Árabes Unidos e Áustria.

O custo para a quarentena obrigatória na Irlanda em um hotel é alto. Um adulto de um país de alto risco terá que desembolsar € 1.875 (mil oitocentos e setenta e cinco euros) por 12 noites. Ao valor final acresce € 625 (seiscentos e vinte e cinco euros) para uma segunda pessoa com mais de 12 anos que compartilhe o quarto e € 36 (trinta e seis euros) para crianças dos quatro aos 12 anos.

Veja também: Grécia programa reabertura para turistas em maio.

Hotéis designados pelo governo para quarentena obrigatória na Irlanda

Na quarta-feira, 24 de março, o Ministro da Saúde do país europeu, Stephen Donnelly, designou os seguintes hotéis em Dublin para quarentena obrigatória na Irlanda:

  • The Crowne Plaza em Santry;
  • Holiday Inn Express em Santry;
  • Clontarf Castle em Clontarf; e o
  • Hard Rock Hotel em Exchange Street Upper.

Os hotéis são atribuídos aleatoriamente e os passageiros só poderão usar as instalações do quarto, embora isso inclua toda a gama de serviços no quarto do hotel, incluindo wi-fi gratuito e sistema de entretenimento. A comida será entregue na porta. Todo o resto estará fora de acesso, exceto para fumar ou pausas para exercícios com controle cuidadoso de algum funcionário do governo ou do hotel.

Pandemia: proibição de sair do Reino Unido pode gerar multa de £ 5 mil.

Reino Unido aprova o teste COVID-19 de 20 segundos

De acordo com a Reuters, a agência reguladora de medicamentos do Reino Unido aprovou um teste COVID-19 de 20 segundos. A informação foi compartilhada por um distribuidor do produto hoje ao lançar um sistema de teste que poderia ser usado em aeroportos, instalações esportivas e empresas.

Os testes rápidos são vistos como uma base fundamental do roteiro do primeiro-ministro britânico Boris Johnson para que o país (ou os países) possa sair do bloqueio. Entretanto, foram expressas preocupações sobre a precisão dos dispositivos de fluxo lateral existentes. O teste Virolens, feito pela start-up britânica iAbra e TT Electronics, foi testado no aeroporto de Heathrow e usa cotonetes de saliva.

A Histate, que está distribuindo o teste, disse que seria lançado com efeito imediato após a aprovação no Reino Unido pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (Medicines and Healthcare products Regulatory Agency — MHRA), e espera por um novo lançamento nos próximos meses.

Segundo a Histate, pesquisas preliminares apontam que o teste tinha 98,1% de sensibilidade, o que significa que ele retorna poucos falsos negativos e 99,7% de especificidade, o que significa poucos falsos positivos.

*Ouça também o nosso Podcast Partiu Morar Fora, disponível no Spotify:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *