Caos em Portugal, excesso de demanda no serviço de imigração

imigracao Portugal
Foto: Desportivo Transmontano

Número de imigrantes no país europeu é o mais alto desde 1976.

O SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), órgão do governo de Portugal que é responsável pelo controle de fronteiras e de estrangeiros, está tendo muita dificuldade em conseguir atender devido ao excesso de demanda no país. Para se ter uma ideia, já não há vaga para atendimento até o final de 2019.





Caos no SEF em Portugal

O Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo – RIFA (2018) publicado pelo SEF em junho de 2019 traz números grandiosos em relação a imigração em Portugal. De acordo com o documento houve um aumento de 13,9% na população de estrangeiros que residem no país de 2017 para 2018.

O órgão afirma que 480.300 estrangeiros possuem autorização de residência e vivem em Portugal atualmente, a maior desde a fundação do SEF em 1976.

E o excesso de demanda diante de uma oferta normal de profissionais do SEF está atrasando a vida dos cidadãos estrangeiros que querem se regularizar em Portugal. Os agendamentos estão levando meses e até o fim de 2019 não existe mais vaga no sistema de atendimento do SEF em Portugal em nenhum ponto do país.

Descubra como é morar em Portugal.

Problemas para os estrangeiros

Obviamente que quando vamos viver em outro país queremos fazer isso de maneira legal. E para que isso aconteça em Portugal, todo o estrangeiro que pretenda residir no país (para estudo, trabalho, aposentado e etc.) precisa ser atendido pelo SEF.

Remessa online voucher

Enquanto o pedido de autorização de residência e a emissão do título de residência não acontece, o cidadão estrangeiro está em situação legal, porém irregular. Ou seja, para fazer uma viagem para fora do Espaço Schengen, por exemplo, o cidadão pode encontrar sérios problemas e até ser deportado.

Além disso, a dificuldade em conseguir os documentos causa outros problemas e constrangimentos aos estrangeiros, principalmente no acesso a serviços públicos como a saúde a até a segurança social.

Descubra onde é mais barato comprar casa em Portugal.

Alto custo psicológico

Morar fora, especialmente no início, não é fácil. Além do processo de mudança ser bastante complicado, ao não conseguir os documentos no tempo normal, o custo psicológico se torna muito alto. Isso porque ser um estrangeiro não é tão simples quanto parece, ainda mais sem a documentação toda em dia.

Muita propaganda para pouco preparo

O governo de Portugal vem anunciando ao longo dos anos muitos programas para atrair imigrantes. O “Tech Visa”, que nós já escrevemos sobre ele, é um exemplo, mas existem outras ações como a facilitação na obtenção de vistos de estudo, desconto em impostos para aposentados de outros países, etc.

O resumo disso tudo é que os programas foram criados focados no âmbito da política, porém a retaguarda de pessoal nos serviços voltados aos estrangeiros ainda carece de mais gente. E não só os pedidos de título de residência estão um caos, os processos de cidadania estão sofrendo graves atrasos e alguns estão levando 1, 2 ou até 3 anos para saírem.

Leia também: quem tem direito a Cidadania Portuguesa?

Sonhos desfeitos

A quantidade de pessoas que estão desistindo de Portugal também impressiona. Se num primeiro momento o país encanta por todas as suas qualidades, especialmente pela segurança e tranquilidade, no dia a dia a realidade é outra. Os preços dos aluguéis dispararam e há uma enorme dificuldade em encontrar casas e apartamentos em Portugal.

A dificuldade na obtenção dos documentos prejudica quem quer procurar um emprego e exige que as pessoas utilizem todas as suas reservas financeiras para não desistirem do sonho de morar em Portugal.

Assim como muitos estão escolhendo Portugal para viver, do outro lado muita gente também está desistindo do país europeu e voltando com uma situação financeira complicada para os seus países de origem.

Economia portuguesa em 2019: saiba o que esperar e quanto aumentará o salário mínimo.

Concursos públicos

O governo de Portugal realizou concursos públicos para reforçar os profissionais que trabalham nos órgãos que atuam com estrangeiros no país, principalmente o SEF. Porém o processo é lento, moroso e muitas pessoas que passaram no concurso em 2017 ainda não começaram a trabalhar.

Outros concursos estão abertos e visam admitir assistentes técnicos para o SEF. A intenção é agilizar os pedidos de concessão e renovação de vistos e títulos de residência, mas na prática a situação é bastante complicada e merece atenção das autoridades.

Números que impressionam

Somente em 2018, o SEF realizou 16,5 mil processos de regularização de imigrantes, um aumento de 385% em relação a 2017. Somente no primeiro semestre de 2019, os postos do SEF atenderam 155 mil pessoas, sendo que no mesmo período em 2018 foram 125 mil atendimentos.

Atualmente 105.423 brasileiros vivem em Portugal de acordo com os dados relativos a 2018, um aumento de 23,4% em relação a 2017. São, de acordo com o SEF, mais de 480 mil estrangeiros residindo em Portugal, o maior número desde a fundação do SEF em 1976.

Conheça quais os 10 melhores países para imigrar e juntar dinheiro.

livro morar fora claudio abdo

Dicas e sugestões

Eu vivo em Portugal desde 2014 e posso afirmar que a quantidade de pessoas que chegaram ao país impressiona. Há uma dificuldade enorme em se conseguir um imóvel, pois além dos preços dos aluguéis estarem muito altos (um apartamento de 2 quartos que custava € 300,00, hoje custa € 700,00 – e você não encontra), o mercado de trabalho no país é complicado.

Salários médios muito baixos em relação ao custo de vida atual. Outra coisa muito comum em Portugal é os proprietários de empresas explorarem seus colaboradores com longas cargas horárias, pressões psicológicas, não pagamento de hora extra, etc.

A minha dica fundamental é: tenha calma e busque muita informação antes de “se jogar” para Portugal. Entre em grupos de Facebook, pergunte para as pessoas que já moram no país sobre a realidade e deixe de lado a falsa ideia de que a vida de quem mora fora é moleza. Não é.

Além disso tente ter uma boa reserva financeira quando se mudar para Portugal. No começo são muitos gastos e se você vier com o dinheiro contado, poderá se desesperar. Espero ter ajudado, todos os links e informações estão na matéria.

Veja também: morar em Portugal, um guia completo.



Amanda Corrêa

Amanda Corrêa é jornalista, brasileira e mora no exterior há 5 anos. Possui Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Morou na Inglaterra e atualmente reside em Portugal. Atua há 14 anos na área de Jornalismo, produção de conteúdos, mídias sociais. Com seus textos, ajuda brasileiros e estrangeiros a morarem fora do país e realizarem seus sonhos.

2 comentários em “Caos em Portugal, excesso de demanda no serviço de imigração

  • 9 de agosto de 2019 em 8:43 pm
    Permalink

    Boa reportagem que mostra o lado do SEF, mas no caso do tech visa, acredito que vem pra ajudar Portugal na competição acirrada dos projetos de TI. Entre perder milhões de euros em contratos o governo português optou pelo visto tech visa neste primeiro momento. Outros países estão importando profissionais de TI pra reter os contratos. Gostaria muito de reportagens que mostrassem essa guerra que acontece com a área de TI entre os países, se possível mostrando o montante envolvido. O tech visa não foi criado pra trazer apenas imigrantes, veio pra ajudar nesta disputa pelo mercado milionário (e bilionário) de projetos de TI.

  • 9 de agosto de 2019 em 2:17 pm
    Permalink

    Estou aqui a 1 ano e amo viver aqui em Portugal de coração e o povo Português em meu caso foi muito recetivo.

    O que me desanima e me faz procurar outro lugar para morar em 1 ano aqui é, greves e mais greves (uma atrás da outra) e que tem impacto direto no cidadão.

    Arrendamento nem se fala, valores absurdos, se financiar um apartamento sai pela metade do valor de um arrendamento e acredito que é isso que grande parte dos que tem condições fazem, paga 2 apartamentos com a renda de 1.

    Estou a exatos 1 ano aqui e desde que cheguei a empresa que trabalho entra em contato, reclama e pede o número de Segurança Social, 1 ano para associar um número.

    O SEF então, a pressão psicológica que passamos para ir ao SEF é brutal, medo de faltar 1 documento como meu caso da Segurança Social (que vou agora em Setembro) e ter de re-agendar para 2020 e ficar ilegal no país com minha esposa e filha que nasceu aqui e precisa da autorização de residência.

    Já percebi a força de vontade do SEF para minimizar o impacto (como a alteração de não ser mais necessário o registro criminal) que ocupava 44% da população diária das lojas do cidadão porem algo há de ser melhorado como por exemplo renovação de autorização se residência de forma online, ajudaria muito mesmo que ir ao SEF só para confirmar a identidade e realizar o upload dos documentos online isso seria fixe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *