Passaporte para entrar no Reino Unido será exigido aos cidadãos europeus a partir de outubro de 2021

Passaporte para entrar no Reino Unido
Foto: Reach Immigration.

Se você tem cidadania europeia, saiba que a partir de outubro de 2021 será necessário ter passaporte para entrar no Reino Unido. Isso porque o governo do Reino Unido anunciou na última quinta-feira, 08 de outubro de 2020, que a partir de outubro de 2021 não irá mais permitir que cidadãos europeus entrem no país apresentando somente o Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade Nacional.


Passaporte para entrar no Reino Unido

No site do governo inglês está publicado que na quinta-feira (8 de outubro de 2020), o governo acelerou os preparativos para o final do período de transição do Brexit. Dessa maneira, publicou o modelo operacional de fronteira atualizado.

Sendo assim, o documento traz detalhes sobre como a fronteira do Reino Unido com a União Europeia vai funcionar e quais serão as ações que os comerciantes, transportadores e passageiros precisam tomar para entrar no Reino Unido a partir de outubro de 2021.

Leia também: Cidadania britânica mais difícil para os cidadãos da União Europeia.

Fim do período de transição – BREXIT

Todas as orientações podem ser lidas no documento publicado pelo Governo do Reino Unido. Entretanto, duas informações parecem cruciais neste primeiro momento da transição e saída do Reino Unido da União Europeia, são elas:

  1. Os transportadores precisarão de uma licença de acesso em Kent (condado no Sul da Inglaterra que dá acesso às balsas e ferrys que fazem a travessia do Canal da Mancha – importante polo de entrada de cargas e mercadorias na ilha) para prosseguir até a fronteira;
  2. Confirma que os cartões de identidade nacionais dos cidadãos da União Europeia, EEA (European Economic Area – Espaço Econômico Europeu) e Suíça não serão aceitos mais para as viagens ao Reino Unido, incluindo motoristas, a partir de outubro de 2021.

Investimentos para controle de fronteiras

O Governo do Reino Unido confirma um pacote inicial de investimentos na ordem dos £ 705 milhões de libras em infraestrutura, novos empregos e tecnologia de fronteira. O valor já havia sido anunciado no início de 2020.

Saiba mais: Coronavírus: economia do Reino Unido cai 20,4%.

Importância da publicação das regras

A publicação do documento traz as diretrizes e informações para as empresas e os comerciantes sobre as mudanças e oportunidades. A saída do Reino Unido da União Europeia (BREXIT) vai resultar em novas regras aduaneiras e de fronteira. Contudo, o governo inglês diz que as medidas serão necessárias independentemente do acordo comercial futuro que vai ocorrer com a União Europeia.

Modelo operacional de fronteira entre Reino Unido-União Europeia atualizado

O modelo operacional de fronteira entre o Reino Unido e a União Europeia serve para mapear os locais onde serão instalados os aparatos e a infraestrutura da fronteira interior do país. Dessa maneira, os locais conseguem aumentar a capacidade necessária para a verificação das cargas e passageiros que entram no Reino Unido.

Mais controle e segurança

O documento apresenta as diretrizes que mostram que os passaportes serão necessários para a entrada no Reino Unido a partir de outubro de 2021. Isso porque o governo inglês vai eliminar o uso de carteiras de identidade nacionais da União Europeia, do EEA e da Suíça como documento de viagem válido para entrada no Reino Unido.

De acordo com o governo, os cartões de identidade estão entre os documentos menos seguros apresentados na fronteira e o fim do seu uso vai fortalecer a segurança do Reino Unido. Isso porque o país retomará o controle de suas fronteiras no final do período de transição.

Leia também: Reino Unido terá novo sistema de imigração baseado em pontos.

Transporte de mercadorias com mais fiscalização – Passaporte para entrar no Reino Unido exigido dos motoristas

As diretrizes apresentadas pelo governo inglês confirmam que será necessário uma licença de acesso em Kent. O condado no Sul da ilha é um ponto importante de entrada de mercadorias e passageiros que atravessam o Canal da Mancha em balsas e ferrys.

A partir de outubro de 2021, será obrigatória uma licença para os caminhões que fazem a travessias do canal estreito em Kent. Porém, o governo vai implementar um serviço fácil de usar (no estilo dos pedágios / portagens – Via verde) para verificar os caminhões.

O sistema vai permitir que os profissionais de transporte verifiquem antecipadamente se têm a documentação alfandegária correta e obtenham uma Licença de Acesso a Kent. Além disso, será necessário que os motoristas tenham passaporte para entrar no Reino Unido.

Nosso modelo de operação de fronteira atualizado fornece mais detalhes sobre como a fronteira Reino Unido-União Europeia funcionará após o período de transição terminar em 31 de dezembro e as ações que comerciantes, transportadores e passageiros devem tomar.

Michael Gove – Chanceler do Ducado de Lancaster

Acesse o Modelo Operacional de Fronteira do Reino Unido atualizado. Dessa maneira, saiba todos os detalhes sobre a fiscalização e o controle no país a partir de 2021.

Mais de quatro milhões de cidadãos europeus já solicitaram residência no Reino Unido

Depois do BREXIT, mais de quatro milhões de cidadãos europeus pediram residência no Reino Unido. Do total de candidaturas, 2,1 milhões de pessoas foram autorizadas e receberam a autorização de residência permanente. Outros 1,6 milhões de cidadãos europeus receberam o estatuto provisório. Ou seja, só poderão pedir a residência permanente depois de residirem por cinco anos consecutivos no Reino Unido.

Dados do Ministério do Interior do Reino Unido mostram que de março de 2019 até o fim de setembro de 2020 o órgão recebeu 4.061.900 pedidos de residência de cidadãos europeus. Dessa maneira, as estimativas do governo foram superadas, pois inicialmente acreditava-se que viviam no país aproximadamente 3,7 milhões de cidadãos europeus.

Os dados informados pelo governo britânico não apresentam as nacionalidades dos cidadãos europeus que requereram residência no Reino Unido.

Também pode te interessar: Trabalhar em Londres: conheça as profissões em alta na cidade.

Amanda Corrêa

Amanda Corrêa é jornalista brasileira e mora no exterior há 6 anos. Possui Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Morou na Inglaterra e atualmente reside em Portugal. Atua há 15 anos na área de Jornalismo, produção de conteúdos, mídias sociais. Com seus textos, ajuda brasileiros e estrangeiros a morarem fora do país e realizarem seus sonhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *