Visto de nômade digital em Bali: estrangeiros podem morar na Indonésia sem pagar impostos

visto de nômade digital em Bali
Foto: Takeoff Surf Travel.

O novo visto de nômade digital em Bali terá validade de cinco anos e permite que trabalhadores remotos sejam isentos de impostos. Saiba mais!

Você trabalha como nômade digital e busca novos países para morar fora? O novo visto de nômade digital em Bali permite que estrangeiros possam viver e trabalhar na Indonésia sem pagar impostos. Pois é, o país asiático está tentando atrair mais trabalhadores remotos e criou novo visto de nômade digital. A intenção do governo é que a possibilidade de solicitar um documento para trabalhar no país incentive os nômades digitais a trabalhar em destinos turísticos populares como a ilha de Bali. Saiba mais!


Visto de nômade digital em Bali

O ministro do turismo da Indonésia, Sandiaga Uno, disse que a nova licença faz parte de um movimento de afastamento do turismo de verão em direção a um modelo mais sustentável. De acordo com o portal Euronews.Travel, o visto de nômade digital em Bali está planejado para ter validade de cinco anos.

Desse modo, o documento permitirá que trabalhadores remotos vivam no país asiático isentos de impostos, desde que a renda seja proveniente de empresas sediadas fora da Indonésia.

A permissão especial foi projetada para ser uma solução simples para estrangeiros que desejam trabalhar na Indonésia. Um processo de candidatura mais ágil e uma maior frequência de voos para o arquipélago visam atrair os colaboradores com políticas de trabalho a partir de qualquer lugar. O visto de cinco anos se tornaria o visto nômade digital mais longo disponível em comparação com outros países, contudo até agora outras informações de solicitação do documento não foram anunciadas.

Estrangeiros em Portugal: governo cria novo visto para quem procura emprego.

Vistos atuais para trabalhadores remotos em Bali

Bali já é um destino favorito para trabalhadores remotos por conta de seu clima quente e pelo baixo custo de vida. Mas as regras atuais de visto não facilitam estadias de longa duração.

No momento, os nômades digitais podem solicitar um visto temporário para trabalhar na Indonésia e as opções incluem o visto na chegada (VoA), que é válido por 30 dias, o visto de turista, que pode ser renovado por um total de 60 dias, ou um visto de negócios que pode ser estendido por até 180 dias.

Os visitantes que ficam mais tempo se tornam residentes fiscais locais, exigindo que eles paguem as taxas de imposto da Indonésia sobre os ganhos do exterior. Em 2021, uma ideia para um visto de nômade digital já estava em andamento, mas os planos foram frustrados quando a pandemia forçou a ilha a fechar fronteiras e restringir visitantes.

Imigrar e morar no Canadá: ministro quer rapidez para a permanência de residentes temporários.

Bali de olho no turismo sustentável

O visto de trabalho remoto vem como parte de um impulso para um tipo diferente de turista em destinos populares como Bali. “Antigamente, Bali focava no sol, mar e areia como pilar para seu turismo. Estamos movendo-o para a serenidade, espiritualidade e sustentabilidade. Dessa forma, estamos obtendo melhor qualidade e melhor impacto na economia local”, disse o ministro do turismo da Indonésia, Sandiaga Uno, à Bloomberg.

O ministro disse ainda que o país espera que 3,6 milhões de viajantes estrangeiros retornando ao país no próximo ano. O visto de nômade digital, juntamente com uma ênfase maior no ecoturismo e retiros espirituais, visa trazer pessoas que gastam mais e ficam mais tempo na Indonésia.

Trabalhar como nômade digital em Portugal: país lança campanha.

*Confira mais vídeos no nosso canal do Youtube, com várias dicas para morar fora e trabalhar no exterior. Aproveite para se inscrever por lá:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *