Trabalho remoto na Irlanda: você aceitaria ganhar menos para trabalhar de casa?

trabalho remoto na Irlanda
Foto: Love Ferplast. Autor: 2019 Josep Suria.

O trabalho remoto na Irlanda está cada vez mais comum e uma pesquisa mostra que 30% dos trabalhadores aceitaria ganhar menos para estar em home office!

Uma pesquisa realizada na Irlanda mostrou que quase 30% dos trabalhadores mudaria de emprego, mesmo que isso signifique um corte salarial, se suas preferências de trabalho remoto não forem facilitadas. A pandemia e a forma como o mercado de trabalho está se reorganizando mostram que trabalhar de maneira híbrida deve ser o futuro no emprego. E você o que prefere: trabalho presencial ou home office?


Trabalho remoto na Irlanda: você aceitaria ganhar menos para trabalhar de casa?

A Pesquisa Nacional de Trabalho Remoto, realizada anualmente na Irlanda, mostrou que 37% dos entrevistados mudariam de emprego para trabalhar remotamente, mesmo que isso significasse menos oportunidades de promoção. A matéria com os resultados da pesquisa foi publicada pelo jornal irlandês RTÉ que indicou que 30% também indicaram que mudarão de emprego mesmo que isso signifique um corte salarial, com 33% dizendo “talvez”.

No geral, o estudo descobriu que 95% das pessoas acreditam que trabalhar remotamente facilitou a vida. Daqueles que podiam trabalhar remotamente, 52% estavam trabalhando de forma híbrida, 40% eram totalmente remotos e apenas 8% estavam totalmente no local de trabalho.

Além disso, quase metade dos entrevistados, 49%, disseram que trabalham mais horas no trabalho remoto, em comparação com o trabalho no local, com 45% dizendo que trabalham as mesmas horas.

Nômades digitais em Portugal: país atrai cada vez mais profissionais.

Sobre a pesquisa

Pesquisadores do Instituto Whitaker da NUI Galway e da Comissão de Desenvolvimento Ocidental reuniram respostas de mais de 8.400 funcionários na Irlanda, no final de abril e início de maio, sobre sua experiência atual de trabalho à distância. A professora Alma McCarthy, da NUI Galway, disse que a pesquisa deste ano continha um novo módulo perguntando se o trabalho remoto era um fator-chave na mudança de emprego.

“É interessante ver que dos que mudaram de empregador desde o surto de COVID-19, quase metade, 47%, indicou que o trabalho remoto foi um fator chave na decisão de mudar de empregador”, explicou. 50% dos entrevistados disseram que sua organização confirmou como funcionará no futuro e, desses, 61% indicaram que irão trabalhar de forma híbrida, 30% trabalharão totalmente remotamente e apenas 9% irão trabalhar totalmente no local.

Você viu? Viver e trabalhar no exterior: conheça os países com as semanas de trabalho mais curtas.

Trabalho remoto: mudança no mercado de trabalho na Irlanda

Tomás Ó Síocháin, executivo-chefe da Comissão de Desenvolvimento Ocidental, afirmou que os resultados da pesquisa nacional indicam que os trabalhadores irlandeses esperam continuar trabalhando remotamente o tempo todo ou encontrar um equilíbrio de acordo com seu estilo de vida. “Os líderes agora serão desafiados a procurar maneiras de apoiar sua equipe e encontrar esse equilíbrio para evitar problemas de retenção”, disse ele.

Já a Ministra de Assuntos Rurais e Comunitários da Irlanda, Heather Humphreys, disse que os resultados da pesquisa serão usados ​​pelo governo para ajudar a permitir que ele tome as decisões corretas na área do trabalho remoto na Irlanda. “A Política de Desenvolvimento Rural do Governo, Nosso Futuro Rural, reconhece claramente o papel vital que o trabalho remoto pode desempenhar para alcançar o desenvolvimento regional equilibrado”.

Se você pudesse escolher, o que iria preferir: trabalhar na empresa todos os dias, trabalhar alguns dias por semana na empresa ou no home office sempre? Conta pra gente e aproveite para ler as nossas dicas para trabalhar em casa com motivação.

Trabalho em casa: como encontrar uma profissão home office.

*Confira também nossos vídeos no Youtube e aproveite para se inscrever no canal:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *