Tipos de visto para morar na Itália

tipos de visto para morar na italia
Foto: Julius Silver – Pexels.

Veja o visto adequado para você morar na Itália de maneira legal e quais caminhos pode percorrer para solicitar o documento!

Se você está planejando se mudar para a Itália e é cidadão de um país de fora da União Europeia, o primeiro passo é conseguir um visto. Porém, é nesse momento que surgem muitas dúvidas e por isso você pode dar uma olhada nos diferentes tipos de vistos disponíveis para morar na Itália. Confira tudo a seguir e faça seu planejamento para morar no exterior.


Tudo sobre morar na Itália

Os cidadãos de países que não pertencem à União Europeia que planejam ficar na Itália por mais de três meses precisam solicitar um visto de residência. E o tipo de visto depende do motivo pelo qual a pessoa deseja morar na Itália. Para as pessoas com dupla cidadania europeia de um país União Europeia, os requisitos de visto não se aplicam, mas você precisará de uma autorização de residência italiana para estadias superiores a 90 dias.

Para todos os outros é necessário solicitar um visto de longa permanência na Itália. O documento é conhecido também por ‘Tipo D’ ou ‘D-Visa’. Este é o tipo de visto que uma pessoa precisa solicitar se quiser ficar na Itália por mais de 90 dias. Por exemplo, quando se muda para o país europeu para estudar, trabalhar, reunião familiar ou aposentadoria.

Lembre-se de que um visto de longa duração permite que você entre na Itália, porém depois disso, você também terá que obter uma autorização de residência italiana (Permesso di soggiorno) para poder permanecer no país por mais de 90 dias.

Passaportes da União Europeia: conheça os mais poderosos do mundo.

Tipos mais comuns ​​de vistos para morar na Itália

Confira abaixo os tipos de vistos mais comuns para morar na Itália e permanecer no país por mais tempo de maneira legal:

Visto de trabalho

Se você é cidadão de um país da União Europeia, Noruega, Islândia, Liechtenstein ou Suíça, não precisa de uma autorização para trabalhar na Itália. Se você for de outro país, precisará de um visto de trabalho. Você também precisará verificar os requisitos de acordo com o tipo de trabalho que pretende fazer, já que a Itália usa um sistema de cotas para vistos para muitas ocupações. Por isso, você deve encontrar um emprego antes de solicitar o visto. A boa notícia é que seu empregador completará a maior parte do processo de solicitação de visto para você.

Tudo o que você precisa fazer é fornecer a papelada que será solicitada. Seu empregador solicitará permissão para contratar um trabalhador migrante no balcão de imigração de sua Prefettura local (prefeitura ou escritório regional do governo central). Eles então receberão sua autorização para trabalhar. A Prefettura informará o consulado ou embaixada italiana em seu país de que seu pedido pode ser encaminhado. A embaixada local então fornecerá um visto de entrada, processo que leva em média menos de 30 dias. Você terá seis meses a partir da data de autorização para visitar a embaixada italiana local e receber o visto.

Leia também: Países e cidades mais baratas para comprar casa na Europa.

Visto de estudante

Os estudantes provenientes de países de fora da União Europeia devem obter um visto de estudante antes de entrar na Itália. Existem dois tipos de visto de estudante na Itália, dependendo da duração do programa de estudos:

  • Tipo C: visto de curta duração ou visto de viagem (por um período não superior a 90 dias);
  • Tipo D: Visto de longa permanência (por mais de 90 dias).

Ao se inscrever, você deve fornecer uma carta de aceitação da Universidade ou do seu curso na Itália, bem como prova de acomodação, recursos financeiros suficientes e um seguro saúde.

Morar na Itália, as 10 melhores cidades para viver.

Visto de família: para pessoas com parentes e familiares na Itália

Existe um visto disponível para dependentes de um cidadão italiano ou de um cidadão não europeu com uma autorização de permanência italiana. Isso permite a entrada na Itália de seu cônjuge, filhos ou pais dependentes. Para conseguir o visto de família, você precisará fornecer evidências de seu relacionamento com a pessoa de quem você será dependente, por exemplo, certidão de casamento ou nascimento.

Visto autônomo: para empresários, artistas e profissionais qualificados

Os cidadãos estrangeiros também podem solicitar um visto para abrir uma empresa na Itália, para trabalhar como um profissional autônomo qualificado (por exemplo, um contador ou tradutor) ou como um artesão profissional, artista ou atleta, ou para assumir uma o papel gerencial em uma empresa. Os candidatos devem demonstrar que possuem as qualificações equivalentes que atendem às mesmas condições exigidas dos italianos que exercem a mesma atividade no país.

Veja mais: as 100 empresas que mais patrocinam visto de trabalho para os Estados Unidos.

Visto de investidor

A Itália oferece um Visto Gold (Golden Visa) para quem planeja investir em ativos estratégicos na Itália. Podem candidatar-se cidadãos não pertencentes à países da União Europeia e pessoas do Espaço Schengen. Em troca de um investimento mínimo de € 500.000 a € 2 milhões em certas empresas, instituições de caridade ou títulos do governo, o visto dá direito a dois anos de residência, renovável por períodos adicionais de três anos, e benefícios fiscais especiais. As famílias dos investidores podem solicitar vistos de dependentes.

Cidadania italiana: um guia completo para você fazer a sua.

Visto de residência eletivo: aposentados

Esse tipo de visto menos conhecido é destinado a quem quer morar na Itália e tem meios financeiros para se sustentar sem trabalhar. Frequentemente, é chamado de visto de aposentadoria. O Consulado Italiano de San Francisco o descreve como sendo para pessoas que “desejam residir permanentemente na Itália e que podem demonstrar uma renda de pensão ampla e estável e altos recursos financeiros”.

Não é para férias prolongadas ou anos sabáticos e o documento também não deve ser solicitado por quem quer trabalhar na Itália, mesmo como profissional freelancer ou remotamente, ou para quem não tem meios para se sustentar sem um emprego. Mas se você é um aposentado independente e quer se mudar para a Itália, o visto de residência eletivo pode ser para você.

Não deixe de ler: conheça o guia do governo do Canadá para aplicação nos novos programas de imigração do país.

Visto de trabalho e férias para jovens

A Itália também tem um tipo de visto disponível apenas para pessoas de 18 a 30 anos de alguns países sob um programa de férias de trabalho. Atualmente, a Itália tem acordos de Working Holiday Visa com os seguintes países e os requisitos variam para cada um:

  • Austrália;
  • Canadá;
  • Nova Zelândia;
  • Coreia do Sul.

Os jovens de 18 a 30 anos dos países acima mencionados podem solicitar este visto, que lhes permite viver e trabalhar na Itália por até um ano.

Descubra quais os salários dos médicos na Europa.

Informações importantes para quem deseja morar na Itália

Qualquer que seja o tipo de visto de que você precisa, você deve solicitá-lo na Embaixada ou Consulado Italiano em seu país de origem antes de viajar. Lembre-se de que o processo pode demorar um pouco, por isso é melhor pedir para a embaixada uma ideia do prazo exigido e começar o mais cedo possível. E lembre-se de que seu visto não é a única permissão de que você precisa se quiser morar na Itália.

Depois de entrar na Itália com um visto de longa duração, você tem 8 dias para solicitar uma Autorização de Residência (Permesso di soggiorno). O período de validade deste documento depende do tipo de visto que você possui. IMPORTANTE: o site Vagas pelo Mundo não pode aconselhar as pessoas sobre casos específicos. Para obter mais informações sobre os pedidos de visto, consulte o site de vistos do Ministério das Relações Exteriores da Itália ou entre em contato com a Embaixada ou Questura local na Itália.

*Conheça também o nosso canal do Youtube e inscreva-se:

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *