Liberte-se da obrigação de ter que agradar as pessoas

agradar as pessoas
Foto: Andrea Piacquadio – Pexels.

Aprenda a respeitar as suas vontades, interesses e acabe com a obrigação de agradar as pessoas!

Quando o assunto é vida no exterior, precisamos sempre ter em mente que agradar aos outros pode ser uma escolha e nunca uma obrigação. Se você possui planos de morar fora ou já está morando, então se acomoda na sua cadeira porque o papo de hoje será super especial.

Ao longo da nossa vida aprendemos a agradar os outros em troca de recompensas, sejas elas físicas, financeiras ou afetivas, esse comportamento é completamente natural até o ponto que nos sentimos obrigados a ter que agradar alguém. Se você já passou ou passa por essa realidade, vamos comigo até o fim deste texto. 


Liberte-se da obrigação de ter que agradar as pessoas

Quando somos bebezinhos apendemos a sorrir, gargalhar e fazemos algumas gracinhas em troca daquilo que desejamos: carinho, comida, sono ou amor. A gente cresce e tendemos a aperfeiçoarmos a estratégia, nos vestimos para encantar, fazemos escolhas pensando no bem-estar do outro. Mudamos nosso comportamento para nos adaptarmos a alguém ou alguma situação, renunciamos nossos valores e crenças para nos sentirmos pertencentes ao que acreditamos ser interessante.

Porém, quando a gente se dá conta, não nos reconhecemos mais, abrindo espaço para a crise de identidade, afinal de contas, mudamos tanto, que chegamos ao ponto de nos estranharmos. 

Quando moramos fora automaticamente nos distanciamos de tudo aquilo que dá sentido a nossa existência. Ou seja, os nossos amigos, familiares, animais de estimação, cultura, hábitos e estilo de vida. Com “tantas privações” a saudade começa apertar e passamos a buscar circunstâncias e pessoas que se parecem com tudo aquilo que eu tinha e era bom.

É aqui que inicia um novo ciclo de agradar as pessoas: começamos a fazer coisas que não fazíamos, passamos a sair com pessoas diferentes do nosso ciclo social. Permitimos viver experiências as quais não viveríamos se não estivéssemos nos sentindo sozinhos e distantes. Nós conquistamos, dessa forma, a dificuldade em dizer não, um desafio que talvez você viva diariamente. 

Não se cobre tanto, aprenda a se respeitar.

Medo da rejeição

Uma das razões as quais buscamos agradar os outros é para não nos sentirmos abandonados, excluídos, preteridos, desprestigiados ou simplesmente pela nossa inabilidade em lidar com a rejeição.

Se por vezes não gostamos de todo mundo, por que acreditamos que todos precisam gostar de mim? Essa é uma ilusão que alimentamos e por vezes não nos damos conta. Por isso, busque entender que está tudo bem. Algumas pessoas não vão simpatizar com você, certos contatos devem mesmo ser evitados (e que bom!). 

Portanto, liberte-se da obrigação de ter que agradar aqueles que estão a sua volta, seu compromisso deve ser única e exclusivamente com você e isso não é egoísmo da sua parte, é apenas uma escolha em se priorizar. 

Leia também: Cuidado com a impulsividade, ela pode comprometer o seu propósito.

*Caso você deseje me acompanhar pelas redes sociais, sugerir novos conteúdos e conferir mais dicas como essas, acesse o meu Instagram. Fale comigo também pelo WhatsApp.

Entre o desânimo e o entusiasmo, ganha quem tiver mais espaço na sua vida.

Vitor Luz

Vitor Luz possui formação em Jornalismo e Psicologia e ao longo da sua trajetória profissional pode se dedicar a busca de novos conhecimentos e fez uma formação em Inner Vision, Programação Neurolinguística – PNL e Certificação Internacional em Master Coaching Mentoring e Holomentoring – ISOR. Atualmente mora na cidade do Porto em Portugal para fazer um Mestrado em Psicologia, na área da Psicogerontologia. Enquanto Psicólogo Nômade Digital realiza atendimento online para brasileiros espalhados pelo mundo, os auxiliando a lidar com a saudade, medo, solidão, desilusões amorosas, relacionamentos afetivos e transição de carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *