Quando a opinião dos outros é realmente necessária?

opinião dos outros
Foto: Liza Summer -Pexels.

A nossa opinião é composta pela forma como enxergamos o mundo e talvez ela não sirva para os outros.

A opinião dos outros é algo singular e a depender das experiências que ela teve na vida. Nós podemos fortalecê-la ou flexibilizá-la, mas seja qual for a sua realidade, nunca esqueça que talvez algumas pessoas simplesmente não vão se importar. Quando decidimos morar fora e viver uma nova vida no exterior, a opinião dos outros pode impactar os nossos planos e muitas vezes nos fazer desistir. Por isso devemos estar atentos ao nosso propósito de vida e acima de tudo, colocar as pessoas em seu devido lugar, caso elas não tenham entendido ainda. 


Quando a opinião dos outros é realmente necessária?

Acredito que você conhece pessoas que sempre tem uma opinião para tudo, faça chuva ou faça sol, elas sempre têm algo a dizer. Por pior que possa parecer esse cenário, elas acreditam que tudo o que dizem faz algum sentido e pode servir para os outros. 

Morar fora é um sonho para muitos brasileiros, que desejam experimentar uma nova cultura, aprender um novo idioma, se desafiar. E muitas vezes conhecer um mundo repleto de novidades, mas há quem não entenda esse desejo. E por não acreditarem que talvez não seja possível ou que talvez não será uma experiência legal, algumas pessoas tendem a opinar e acabam ultrapassando os limites, gerando chateação e muitas vezes tristeza.

Acredito que talvez você esteja se identificando com essas palavras e gostaria de te perguntar:

Porque será que tantas pessoas opinam sobre sua vida, sobre suas escolhas e sobre seus sonhos?

Preciso te lembrar que as pessoas têm o espaço que você dá, ou seja, se os outros estão se aproximando demais ao ponto de interferirem em suas decisões, talvez você precise rever o quanto que tais pessoas são necessárias. Opinião é algo que só devemos oferecer, à medida que são solicitadas, caso contrário, devemos nos reservar ao silêncio. 

E se você fizesse por você tudo aquilo que faz pelos outros?

Metas e objetivos claros para seguir em frente

Morar fora exige de nós clareza, discernimento, sabedoria e acima de tudo, um porque. Quando possuímos motivos claros e estabelecidos a nossa jornada fica mais tranquila e leve, ou seja, quando sabemos o que queremos, a opinião dos outros perde força e importância. Entender isso é fundamental para o seu equilíbrio interno e para forma como você se trata. 

Por vezes nossa opinião é imbuída de preconceitos, julgamentos, crenças disfuncionais e experiências fracassadas. Isso nos revela que precisamos ter muito cuidado quando resolvemos “ajudar” alguém, principalmente se essa pessoa não nos pediu ajuda.

Na intenção de ajudarmos, acabamos atrapalhando. E uma forma para encontrar a medida certa para essa circunstância é perguntar se aqueles que estão próximos a você desejam ajuda e se precisam da sua opinião, fazendo isso você pode se preservar e poupar o outro. 

Liberte-se da obrigação de ter que agradar as pessoas.

Saindo da zona de conforto

Quando optamos por morar fora, comprometemos toda a vida que tínhamos no passado, ou seja, todos os padrões estabelecidos e fixos, passam a ser transpostos e alterados. Essa realidade nos tira da zona de conforto, assim como aqueles que estão ao nosso lado e por vezes aqueles que estão mais distantes.

Ao estarmos fora da nossa zona de conforto o nosso organismo começa a criar circunstâncias para que possamos voltar a nos sentirmos confortáveis e em “segurança”, movimento esse que também acontece com aqueles que se importam com a nossa vida, seja de forma positiva ou negativa. 

Por fim, a maior reflexão que devemos fazer é se a opinião dos outros é realmente importante para nossas vidas e se minha opinião deve sempre ser oferecida. Quando paramos para pensar nisso chegamos à conclusão que não temos tanta importância assim. E que, o silêncio pode ser sempre bem-vindo, tanto para não nos colocar em situações constrangedoras, tanto para não nos sentirmos constrangidos. Pense nisso!

Leia também: não se cobre tanto, aprenda a se respeitar.

*Caso você deseje me acompanhar pelas redes sociais, sugerir novos conteúdos e conferir mais dicas como essas, acesse o meu Instagram. Fale comigo também pelo WhatsApp.

Vitor Luz

Vitor Luz possui formação em Jornalismo e Psicologia e ao longo da sua trajetória profissional pode se dedicar a busca de novos conhecimentos e fez uma formação em Inner Vision, Programação Neurolinguística – PNL e Certificação Internacional em Master Coaching Mentoring e Holomentoring – ISOR. Atualmente mora na cidade do Porto em Portugal para fazer um Mestrado em Psicologia, na área da Psicogerontologia. Enquanto Psicólogo Nômade Digital realiza atendimento online para brasileiros espalhados pelo mundo, os auxiliando a lidar com a saudade, medo, solidão, desilusões amorosas, relacionamentos afetivos e transição de carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *