Emprego no Google: multinacional abrirá 10 mil novas vagas

Emprego no Google
Foto: Você SA.

Se você pensa em trabalhar e ter um emprego no Google, saiba que a companhia está investindo em novos escritórios e pretende gerar 10 mil novas vagas de trabalho. Confira!

A pandemia e as mudanças sociais e na política dos Estados Unidos deixaram os empresários e investidores apreensivos. Com certeza 2020 foi um ano complicado por lá e motivos não faltaram. Entretanto, em uma recente postagem em seu blog, a gigante Google, através de seu CEO Sundar Pichai, disse que vai investir pelo menos US$ 7 bilhões de dólares em novos escritórios pelos Estados Unidos e que pretende contratar 10 mil novos colaboradores.


Emprego no Google

Ainda na postagem publicada no blog da multinacional, Pichai escreveu: “Acredito que uma recuperação econômica duradoura virá das comunidades locais e das pessoas e pequenas empresas que lhes dão vida”. O executivo-chefe da companhia acrescentou: “O Google quer fazer parte dessa recuperação”.

Para Sundar Pichai, ajudar a recuperar a economia está nos planos do Google. “É por isso que planejamos investir mais de US$ 7 bilhões em escritórios e data centers nos Estados Unidos e criar pelo menos 10 mil novos empregos em tempo integral no Google nos Estados Unidos este ano. Isso inclui investir em comunidades que são novas no Google e expandir em outras em 19 estados”.

Veja também: melhores empresas para trabalhar nos Estados Unidos em 2021.

Trabalho remoto ainda em desenvolvimento

O post e a decisão do Google se afasta do que se acreditava anteriormente – que o trabalho remoto será o futuro. O grande investimento do Google em espaço de escritório reflete que, embora o trabalho remoto ainda seja uma opção, ele não será universalmente adotado como se acreditava anteriormente.

“Reunir-se pessoalmente para colaborar e construir uma comunidade é fundamental para a cultura do Google e será uma parte importante do nosso futuro. Por isso, continuamos a fazer investimentos significativos em nossos escritórios em todo o país ”, disse ele.

“Isso ajudará a trazer mais empregos e investimentos para diversas comunidades como parte de nossos compromissos de igualdade racial anunciados anteriormente. Já estamos progredindo: 2020 foi nosso maior ano de contratação de colaboradores negros e latinos nos Estados Unidos, tanto em geral quanto em funções de tecnologia”.

Leia mais: melhores sites para procurar emprego nos Estados Unidos.

Expansão nos Estados Unidos e emprego no Google

O Google planeja abrir ou aprimorar locais em todo o país. Isso inclui um data center na Carolina do Sul, um novo site de engenharia em nuvem em Durham, Carolina do Norte e o Centro de Operações em Southaven, Mississippi. A empresa abrirá seu novo prédio de escritórios em Reston, Virginia e o primeiro escritório em Houston.

No meio-oeste americano, haverá locais novos ou aprimorados em Rochester, Minnesota, New Albany, Ohio e Papillion, Nebraska. A gigante das buscas continuará a aumentar seus escritórios em Nova Iorque, planejando dobrar sua força de trabalho até 2028. Em outras partes do Nordeste dos Estados Unidos, eles vão investir em seus escritórios em Cambridge, Massachusetts, Pittsburgh, Pensilvânia e aumentar a força de trabalho em Washington, DC.

A empresa planeja um novo escritório em Portland, Oregon, e o Google continuará a aumentar sua presença na Califórnia. Também apoiará iniciativas de habitação a preços acessíveis na Bay Area como parte de seu compromisso de habitação de US$ 1 bilhão.

Saiba mais: 20 empregos nos Estados Unidos para recém-formados que pagam mais de US$ 5 mil por mês.

Em busca de soluções personalizadas

A mudança do Google parece ser uma proteção inteligente, já que a empresa reconhece que não existe uma solução única para todas as realidades. Existem algumas pessoas que não podem esperar para voltar a um ambiente de escritório. Outros adoram estar em casa, pois isso lhes proporciona um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

Além disso, é necessário ter em conta as incertezas que a pandemia de COVD-19 proporcionou nos últimos meses. Dessa maneira, um grande número de pessoas pode continuar com medo de voltar ao trabalho e as potenciais responsabilidades legais podem forçar a administração da empresa a permitir que as pessoas que estão em risco ou ansiosas demais permaneçam em casa.

Os executivos corporativos também levarão em consideração os riscos de ter uma porcentagem significativa de sua equipe trabalhando remotamente. Eles ficarão preocupados com o impacto adverso na empresa e na produtividade dos funcionários. Isso poderia dividir a força de trabalho em dois campos – os que estão no escritório e os que estão em casa.

Veja mais: Canadá supera os Estados Unidos como melhor destino para trabalhar no exterior.

Problemas diferentes no mercado de trabalho

Porém, se trabalhar em casa parece ser uma excelente opção durante a pandemia, é preciso ter em conta que as pessoas que trabalham remotamente podem começar a sentir excluídas. Isso, em outras palavras, traz novos e diferentes problemas, pois não terão as interações diárias e as reuniões com gerentes e colegas que ocorrem regularmente no escritório.

Sem contar que os profissionais de recursos humanos podem sentir que recrutar, integrar e treinar novos contratados remotos será um desafio difícil de ultrapassar. Projetos que requerem colaboração de várias pessoas podem demorar mais sem que todos estejam no mesmo local. Os executivos podem sentir que existe o potencial de perda de cultura corporativa e falta de camaradagem com a grande maioria das pessoas que trabalham fora do ambiente de escritório.

Veja também: empresa de software americana criará 400 postos de trabalho na Irlanda.

Falta de contato com colegas de trabalho

Especialistas apontam que a falta de contato com colegas de trabalho tem se mostrado danosa no dia a dia das empresas. Sem reuniões espontâneas, almoços tomados em conjunto pelos colegas de trabalho e bebidas depois do trabalho, o apego e a ligação com a empresa diminuem e até a criatividade e resolução de problemas ficam afetadas.

Pessoas inteligentes, jovens e talentosas podem optar apenas por trabalhar em empresas que exijam que as pessoas estejam no escritório. Para a Geração Z e os jovens da geração Y, é socialmente importante estar perto de outras pessoas. Eles desejam uma vida social com seus colegas de trabalho, precisam de mentores e se sentem parte de algo.

Para este perfil de profissionais, é desanimador conseguir um novo emprego em uma grande empresa, apenas se sentar em frente a um computador em um pequeno apartamento ou na casa de seus pais todos os dias. Foi relatado que a taxa de divórcio aumentou rapidamente durante a pandemia.

Em um estudo, cerca de “31% dos casais admitiram que o lockdown causou danos irreparáveis ​​aos seus relacionamentos”.

Ficar preso em casa aumentou o estresse e a tensão. Isso é exacerbado quando os pais precisam conciliar carreiras e cuidados com os filhos para os mais jovens. Sem contar que muitos profissionais relataram esgotamento profissional por conta das muitas horas de trabalho seguidas e dificuldade de manejar o tempo.

Saiba mais: as 10 melhores cidades para trabalhar nos Estados Unidos.

Emprego no Google através de abordagem híbrida

É importante tentar perceber os motivos que estão fazendo com que o Google esteja considerando seriamente uma abordagem híbrida combinada para o trabalho. Muito provavelmente, muitas outras empresas podem seguir o exemplo da maior empresa de tecnologia do mundo e trabalhar para buscar e oferecer para seus colaboradores uma combinação de arranjos de trabalho alternativos.

Se você quer se candidatar a uma das milhares de vagas abertas e encontrar um emprego no Google, acesse o site de empregos e carreiras da companhia. Leia os requisitos da oportunidade e, caso os cumpra, não hesite em enviar o sue currículo diretamente. Boa sorte!

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *