Cidadãos europeus no Reino Unido: governo oferece até £ 2.000 para quem quiser deixar o país

Cidadãos europeus no Reino Unido estão sendo incentivados a deixar o país. Entenda como funciona o programa.

Os cidadãos europeus no Reino Unido estão sendo encorajados a deixar o país antes do prazo final para solicitação de residência permanente. O governo britânico diz que os imigrantes europeus podem se candidatar e receber até £ 2 mil (duas mil libras) e o valor deverá ajudar as pessoas a encontrarem um lugar para viver, buscar emprego ou abrir um negócio no seu país de origem.


Cidadãos europeus no Reino Unido

O objetivo do programa do governo inglês é incentivar imigrantes europeus a deixarem o Reino Unido de maneira voluntária. O prazo para a solicitação do Estatuto de Residência Permanente acaba em cinco meses. Por isso o governo está oferecendo incentivos financeiros para que imigrantes dos 27 Estados-membros da União Europeia saiam do Reino Unido e voltem para os seus países de origem.

Inglaterra pós-Brexit: veja tudo o que muda após 31 de dezembro de 2020.

Informações do jornal The Guardian e que estão disponibilizadas no site do Ministério do Interior, dão conta de que o governo britânico pode pagar até £ 2 mil libras (aproximadamente de € 2,2 mil euros). O intuito, de acordo com a publicação, é auxiliar os cidadãos europeus no Reino Unido que querem deixar o país para buscar alojamento e até comprar as passagens aéreas de retorno aos seus países de origem.

Imigração no Reino Unido: limite de salário anual dos imigrantes qualificados foi reduzido para £ 25.600.

Objetivos do Programa de Retorno

O governo pretende que os cidadãos europeus no Reino Unido sejam incentivados a deixar o país. Os imigrantes europeus que estavam residindo no Reino Unido antes do dia 31 de Dezembro de 2020 estão sendo encorajados a deixar o país antes de fazerem a solicitação do Estatuto de Residência Permanente (EUSS) – EU Settlement Scheme. O prazo para o pedido termina em 30 de Junho de 2021.

Um porta-voz do Home Office (Ministério do Interior) disse ao The Guardian que algumas pessoas podem fazer a opção de não solicitar o Estatuto de Residência Permanente. Sendo assim, o órgão do governo acredita que as pessoas que fizerem essa opção devem poder solicitar apoios financeiros.

Fim do Visto Gold? Parlamento Europeu quer acabar com o programa.

Cidadãos europeus no Reino Unido vulneráveis

Muitas organizações de apoio aos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido, mas que estão em situação de vulnerabilidade, criticaram o governo britânico. Para os especialistas, o discurso do governo é contraditório e demonstra que não haverão muitas garantias depois da consumação total do BREXIT com aqueles imigrantes que precisam de auxílio do governo.

E as organizações de apoio aos imigrantes em situação de vulnerabilidade dizem que, dos cidadãos europeus neste contexto, estão profissionais de saúde, da construção civil, da produção e até da agricultura. Grande parte dos imigrantes europeus que vivem no Reino Unido ainda não conseguiram resolver a questão do Estatuto de Residência Permanente com as autoridades de migração do Reino Unido.

Leia mais: mudanças na lei de imigração na Austrália a partir de 01 de janeiro de 2021.

BREXIT e outras decisões

Além do desejo da maioria dos cidadãos britânicos que votaram pela saída da União Europeia em um referendo, o Reino Unido abriu mão de pertencer ao mercado único europeu. Dessa maneira, em 31 de dezembro de 2020 o país deixou de ter vinculação com a União Europeia e isso tem afetado milhares de trabalhadores e suas famílias.

Vale ressaltar que o novo sistema de imigração é baseado em pontos no Reino Unido e já está em vigor. A ministra do Interior, Priti Patel, acredita que uma maior exigência, principalmente as relacionadas com as qualificações profissionais e formação acadêmica, irão levar para o Reino Unido somente “os melhores e os mais inteligentes”.

Leia também: Cidadania britânica mais difícil para os cidadãos da União Europeia.

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *