Pesquisa mostra os melhores países para expatriados em 2021

melhores países para expatriados em 2021
Foto: Alexandr Podvalny – Pexels.

O ranking dos melhores países para expatriados vai, com certeza, surpreender você. Confira os melhores países para morar fora.

Em janeiro de 2021, mais de 12.000 entrevistados expatriados de todo o mundo participaram da última pesquisa do Expat Insider. De acordo com a pesquisa, participaram pessoas de 174 nacionalidades que vivem em 186 países ou territórios em todo o mundo. Foi a primeira vez que a pesquisa Expat Insider, que foi lançada em 2014, abordou temas selecionados como a maneira que a pandemia de COVID-19 pode ter interrompido os planos de relocação ou uma recente estada no exterior.


Os melhores países para expatriados em 2021

Em 2021, Taiwan, México e Costa Rica são os melhores destinos de expatriados em todo o mundo. Os três países atraem expatriados por conta da facilidade de instalação e boas finanças pessoais. Entre as principais descobertas estão que o primeiro lugar da lista, Taiwan, nenhum expatriado se sente inseguro.

O México, por exemplo, é colocado em primeiro lugar no mundo em felicidade pessoal. No terceiro lugar da Costa Rica, mais de nove em cada dez expatriados descrevem a população como geralmente amigável.

Leia mais: Lisboa vai ganhar cidade de inovação para atrair startups e nômades digitais.

Sobre o primeiro colocado do ranking dos melhores países para expatriados — Taiwan

Taiwan está em primeiro lugar entre 59 destinos pelo terceiro ano consecutivo na pesquisa Expat Insider 2021. O país também ocupa o primeiro lugar nos índices de Qualidade de Vida e Trabalho no Exterior: a maioria dos expatriados está satisfeita com a segurança no emprego (83% contra 61% globalmente) e com o estado da economia local (85% contra 62% globalmente). Além disso, a maioria está feliz com seu trabalho (75% vs. 68% globalmente) e sua vida em geral (80% vs. 75% globalmente).

96% dos expatriados avaliam a qualidade dos cuidados médicos positivamente (vs. 71% globalmente), e outros 94% estão satisfeitos com sua acessibilidade (vs. 61% globalmente). Um expatriado chileno e que vive em Taiwan disse que o sistema de saúde taiwanês realmente considera as pessoas como seres humanos em vez de meros números. Nenhum expatriado se sente inseguro em Taiwan (vs. 8% globalmente).

Embora Taiwan tenha uma posição ligeiramente inferior no Índice de facilidade de acomodação (13º), é o país com melhor classificação em todo o mundo na subcategoria Simpatia (1º). A maioria dos expatriados acha fácil fazer amigos lá (62% contra 48% globalmente) e descreve a população taiwanesa como amigável com os residentes estrangeiros (96% contra 67% globalmente).

Saiba mais: nova ferramenta promete ajudar imigrantes na escolha de onde morar no Canadá.

Morar no México: fazendo amigos

O México ocupa o segundo lugar entre 59 destinos em todo o mundo. É até classificado como o melhor país para expatriados no Índice de facilidade de acomodação (1º): 85% acham fácil se estabelecer no México (vs. 62% globalmente) e 78% dizem que é fácil fazer amigos locais ( vs. 44% globalmente). Um expatriado norte-americano diz que “a cultura e a cordialidade do povo local” é o que mais gosta de viver no México.

O México também se sai bem nos índices de Finanças Pessoais (2º) e Custo de Vida (4º). Na verdade, quatro em cada cinco expatriados (80%) estão satisfeitos com sua situação financeira (vs. 64% globalmente) e 90% dizem que sua renda familiar disponível é suficiente ou mais do que suficiente para cobrir suas despesas de vida (vs. 77% globalmente ). O México tem um desempenho ligeiramente abaixo da média no Índice de Qualidade de Vida (31º).

Ele vem em 42º lugar na subcategoria Qualidade do Meio Ambiente, com 27% dos expatriados insatisfeitos com a infraestrutura de água e saneamento (vs. 12% globalmente). Além disso, o México termina entre os 10 piores na subcategoria Segurança e Proteção (51º), com 20% dos expatriados preocupados com sua segurança pessoal (vs. 8% globalmente). Apesar disso, 89% dos expatriados no México estão felizes com sua vida em geral (vs. 75% globalmente), colocando o país em primeiro lugar no mundo em felicidade pessoal.

Melhores países para expatriados: feliz e estabelecido na Costa Rica

A Costa Rica está em terceiro lugar entre 59 destinos na pesquisa Expat Insider 2021. O país está entre os 5 primeiros no Índice de facilidade de acomodação (3º), com 91% dos expatriados descrevendo a população como geralmente amigável (vs. 69% globalmente). Outros 87% descrevem os residentes locais como geralmente amigáveis ​​com os estrangeiros (vs. 67% globalmente) e 70% acham fácil fazer amigos locais (vs. 44% globalmente).

“Amo a vida social e a cultura”, diz um expatriado americano. Talvez seja por isso que a maioria dos entrevistados acham fácil se acostumar com a cultura local (82% vs. 65% globalmente) e se sentir em casa nela também (80% vs. 63% globalmente). A Costa Rica tem um bom desempenho no Índice de Qualidade de Vida (14º), ficando em segundo lugar mundial em felicidade pessoal – atrás apenas do México (1º). Considerando tudo isso, 88% dos expatriados na Costa Rica estão felizes com sua vida (vs. 75% globalmente).

O país aparece em 10º lugar na subcategoria Qualidade do Meio Ambiente, com a maioria dos expatriados avaliando o meio ambiente natural (96% vs. 84% globalmente) e a qualidade do ar (91% vs. 66% globalmente) de forma positiva. No entanto, a Costa Rica fica entre os 10 últimos lugares da subcategoria Viagem e Transporte (52º): 29% dos expatriados estão insatisfeitos com o sistema de transporte público (vs. 15% globalmente). Um expatriado canadense comenta: “O tráfego está terrível por causa de motoristas ruins, estradas ruins e infraestrutura insuficiente”.

No lado positivo, a Costa Rica está entre os 10 primeiros do Índice de Finanças Pessoais (7º), com 84% dos expatriados considerando sua renda familiar disponível suficiente ou mais do que suficiente para cobrir todas as despesas (vs. 77% globalmente).

Poucas surpresas em relação aos três piores países na lista dos melhores países para expatriados em 2021

Pela sétima vez em oito anos, o Kuwait ficou em último lugar na pesquisa Expat Insider (59º em 59 países). O país ocupa o último lugar no Índice de Qualidade de Vida (59º), com resultados especialmente ruins nas subcategorias Opções de Lazer, Felicidade Pessoal e Viagem e Transporte (59º para todas). Kuwait também é o pior destino de expatriados em todo o mundo no Índice de facilidade de acomodação (59º), com 46% dos expatriados não se sentindo em casa na cultura local (vs. 20% globalmente) e 45% achando difícil se estabelecer neste país (vs. 22% globalmente).

Além disso, 51% têm dificuldade em encontrar novos amigos (vs. 32% globalmente) e 62% acham difícil fazer amigos locais em particular (vs. 36% globalmente). Em 56º lugar no Índice de Trabalho no Exterior, o Kuwait tem um desempenho ruim nas subcategorias Trabalho e Lazer (58º) e Perspectivas de Carreira e Satisfação (57º). Mais de três em cada dez entrevistados (31%) estão insatisfeitos com seu trabalho em geral (vs. 16% globalmente) e 34% estão insatisfeitos com seu equilíbrio entre vida profissional e familiar (vs. 17% globalmente).

Em 58º lugar, a Itália é o segundo pior país para expatriados. No Índice de Finanças Pessoais (59º), o país do sul da Europa chega a ficar em último lugar no mundo: 30% dos expatriados estão insatisfeitos com sua situação financeira (vs. 19% globalmente), 14% até muito, o dobro do média global (7%). Além disso, um em cada três expatriados (33%) afirma que sua renda familiar disponível não é suficiente para cobrir suas despesas (vs. 23% globalmente).

Além disso, encontrar um emprego na Itália não é fácil para os estrangeiros. A Itália também tem um desempenho fraco no Índice de Trabalho no Exterior (58º), ficando em último lugar na subcategoria Perspectivas de Carreira e Satisfação (59º). Mais da metade dos expatriados (56%) avalia suas oportunidades de carreira locais negativamente (vs. 33% globalmente) e 31% estão insatisfeitos com seu trabalho (vs. 16% globalmente).

Um expatriado iraniano disse: “Encontrar um emprego não é fácil para os estrangeiros, nem mesmo para os mais instruídos”. No Índice de Qualidade de Vida (42º), a Itália está em pior posição na subcategoria Vida Digital (51º): 23% dos expatriados acham difícil obter acesso à Internet de alta velocidade em casa (vs. 12% globalmente), 18% consideram isso difícil de pagar sem dinheiro (vs. 9% globalmente) e 40% estão insatisfeitos com a disponibilidade de serviços governamentais online (vs. 21% globalmente).

Chegando em 57º lugar, a África do Sul tem o pior desempenho no Índice de Finanças Pessoais (55º): mais de um terço dos expatriados na África do Sul (34%) não consideram sua renda familiar disponível o suficiente para cobrir todas as suas despesas (vs. 24% globalmente ), e apenas 57% estão satisfeitos com sua situação financeira (vs. 64% globalmente).

A África do Sul também termina entre os 10 últimos lugares do Índice de Trabalho no Exterior (54º), ficando em último lugar no mundo na subcategoria Economia e Segurança no Trabalho (59º). Apenas 47% dos expatriados estão satisfeitos com a segurança do emprego (vs. 61% globalmente) e menos de um terço (31%) estão satisfeitos com o estado da economia local – exatamente metade da média global (62%).

Classificada entre os 10 últimos lugares no Índice de Qualidade de Vida (52º), a África do Sul aparece em último lugar no mundo na subcategoria Segurança e Proteção (59º). Mais de um terço dos expatriados (34%) não consideram a África do Sul um país pacífico (vs. 9% globalmente) e apenas cerca de um em quatro (24%) se sente seguro lá (vs. 84% globalmente). Um expatriado etíope afirmou: “Você não consegue andar com segurança”.

Tendências nos 10 primeiros colocados como melhores países para expatriados e nos últimos da lista

Com o 5º lugar entre 59 destinos, Portugal é de fato o único destino europeu a figurar no top 10 da classificação geral. Os expatriados valorizam a maioria dos aspectos da vida em Portugal – o 36º lugar no Índice de Trabalho no Estrangeiro é o pior resultado do país numa classificação de índice, enquanto os expatriados valorizam em particular a elevada qualidade de vida (3º).

Malásia (4º) e Vietnã (10º) se juntam a Taiwan para representar a Ásia entre os dez melhores destinos de expatriados do mundo. Enquanto os entrevistados em todos os três avaliam o custo de vida local e seu impacto em suas finanças pessoais – o Vietnã chega a ser o primeiro em ambos os índices – os resultados em outras áreas da pesquisa variam. Os expatriados classificam a Malásia como o segundo melhor país no Índice de facilidade de acomodação, por exemplo, enquanto os entrevistados no Vietnã relatam os níveis mais altos de satisfação geral no trabalho em todo o mundo.

Um pouco mais ao sul, na região da Ásia-Pacífico, a Nova Zelândia e a Austrália ganharam terreno para se classificarem em sexto e sétimo, respectivamente. Esta é a primeira vez desde 2016 que os dois países estão entre os 10 primeiros ao mesmo tempo. Com ambos classificados entre os 15 primeiros nos Índices de Trabalho no Exterior e Qualidade de Vida e obtendo bons resultados para a facilidade de acomodação, as únicas grandes dificuldades dos expatriados parecem ser despesas de subsistência e oportunidades limitadas de viagens.

Do outro lado do mundo, Equador (8º) junta-se ao México (2º) e à Costa Rica (3º) no top 10. Assim como os resultados dos dois últimos destinos, os expatriados no Equador estão particularmente satisfeitos com suas finanças pessoais (5º no índice) e a facilidade de acomodação (10º).

Os entrevistados no Canadá (9º no geral) concordam com o último, mas definitivamente não com o primeiro: enquanto o país da América do Norte se sai bem no Índice de Facilidade de Liquidação (12º) – além de excelentes resultados na Qualidade de Vida (5º) Índices Working Abroad (12º) – perde espaço no ranking geral devido à colocação entre os 10 últimos colocados em finanças pessoais (50º em 59).

No outro extremo da lista, outros destinos mediterrâneos Malta (50º), Turquia (52º), Chipre (53º) e Egito (55º) juntam-se à Itália nos últimos 10 colocados no ranking. Enquanto todos os quatro recebem pelo menos resultados médios quando se trata de a facilidade de se estabelecer, os expatriados estão particularmente insatisfeitos com sua vida profissional e aspectos financeiros: Turquia, Chipre e Egito estão entre os 10 piores no Índice de Trabalho no Exterior, enquanto o 44º lugar da Turquia em 59 destinos é o melhor resultado no Pessoal Índice de finanças para um desses quatro destinos.

Rússia (56º), Japão (54º) e Índia (51º) completam a lista dos dez piores países para expatriados.

Saiba mais: estado americano quer atrair nômades digitais e vai pagar por isso.

Melhores países para expatriados — onde a vida do expatriado é ótima: o índice de qualidade de vida

Mesmo em comparação com os níveis antes da pandemia, os três primeiros do ranking dos melhores países para expatriados não oferecem muitas surpresas. Eles não vêm em primeiro lugar em todas as subcategorias, porém os respectivos vencedores são surpreendentemente diversos.

Metodologia

Em 2021, a pesquisa Expat Insider inclui 59 países e territórios com um mínimo de 50 respondentes cada. O Índice de Qualidade de Vida cobre 20 fatores de sete subcategorias diferentes: Opções de Lazer, Saúde e Bem-estar, Segurança e Proteção, Felicidade Pessoal, Viagem e Transporte, Vida Digital e Qualidade do Meio Ambiente. Os entrevistados avaliaram os fatores em uma escala de um a sete.

Taiwan: ainda está forte

No Índice de Qualidade de Vida, Taiwan está em primeiro lugar pela quarta vez. Na pesquisa Expat Insider 2021, voltou a ficar entre os 10 primeiros em duas subcategorias que sempre estiveram entre seus pontos mais fortes: Saúde e Bem-Estar (1º) e Viagens e Transporte (8º).

Expatriados em Taiwan apreciam tanto a acessibilidade dos cuidados de saúde (94% respostas positivas vs. 61% globalmente) e sua qualidade (96% positivos vs. 71% globalmente). “Eu amo o excelente e acessível sistema de saúde!” diz um expatriado francês em Taipei. Outros 90% dão à infraestrutura de transporte uma avaliação positiva, em comparação com 76% em todo o mundo.

Taiwan obtém resultados acima da média em mais três subcategorias. No entanto, todas essas classificações são um tanto afetadas negativamente por um fator específico. Por exemplo, Taiwan está em 14º lugar na subcategoria Vida Digital. Suas avaliações para acesso à Internet de alta velocidade, por exemplo, são excelentes, com 94% dos expatriados julgando esse fator favoravelmente (vs. 79% globalmente).

No entanto, eles estão menos satisfeitos com as opções de pagamento sem dinheiro: 85% os avaliam positivamente, quase o mesmo que a média global (83%). Embora este ainda seja um bom resultado, não é surpreendente, o que faz com que Taiwan não tenha uma classificação tão alta quanto deveria. Tendências semelhantes surgem nas subcategorias Segurança e Proteção (14ª) e Opções de Lazer (17ª).

Por último, mas não menos importante, Taiwan fica em uma média de 29º lugar na subcategoria Qualidade do Meio Ambiente. Isso se deve principalmente à qualidade do ar local, que atinge apenas 56% positivamente, em comparação com 66% em todo o mundo. No entanto, os expatriados em Taiwan estão muito felizes com sua vida em geral – quatro em cada cinco (80%) afirmam isso (vs. 75% globalmente).

Você viu? Cidade vende casas na Itália prontas para ocupar a partir de R$ 50 mil.

Melhores países para expatriados — Áustria: mais do que apenas uma ótima viagem

A vida de expatriado na Áustria oferece alguns grandes benefícios em relação a Viagem e Transporte (1º), Qualidade do Meio Ambiente (5º) e Saúde e Bem-Estar (7º). Por exemplo, 95% dos entrevistados na Áustria estão satisfeitos com suas oportunidades de viagem (vs. 84% globalmente), impressionantes 98% como o ambiente natural (vs. 84% globalmente) e 82% consideram os cuidados de saúde acessíveis (vs. 61% globalmente). Esses resultados notáveis ​​nessas subcategorias impulsionam a Áustria para um segundo lugar de 59 no Índice de Qualidade de Vida.

Embora a Áustria não esteja entre os 10 primeiros em Segurança e Proteção (15º), a grande maioria dos expatriados (95%) se sente segura lá (contra 84% globalmente), enquanto outros 93% consideram o país pacífico ( vs. 80% globalmente). Nas três outras subcategorias – Opções de Lazer (27º), Felicidade Pessoal (28º), Vida Digital (29º) – os resultados da Áustria são um tanto confusos.

Por exemplo, os expatriados adoram as opções de lazer locais, com 81% de avaliação positiva (vs. 72% globalmente). Porém, no que diz respeito às próprias atividades de convívio e lazer, apenas 65% dão-lhes uma avaliação favorável, um pouco menos do que a média global (67%).

Leia também: veja quais são os principais empregos para imigrantes na Áustria.

Portugal: casa de expatriados felizes

Portugal é o lar de alguns dos expatriados mais felizes do mundo: 84% estão felizes com a sua vida em geral, em comparação com uma média global de 75%. Gozam de elevada qualidade de vida, classificando Portugal em 3º lugar entre 59 destinos neste índice. Os expatriados apreciam particularmente as opções de lazer locais (87% de respostas positivas vs. 72% globalmente) e o clima e tempo ensolarado (90% vs. 66% globalmente).

Quase quatro em cinco (79%) também estão satisfeitos com suas próprias atividades de socialização e lazer (vs. 67% globalmente). Outros 96% descrevem o país como pacífico (vs. 80% globalmente) e 97% se sentem seguros lá (vs. 84% globalmente). “É um lugar seguro e tranquilo”, confirma um expatriado britânico. “É muito bonito, com boa comida, música, cultura e paisagens.”

Enquanto Portugal perde por pouco um lugar entre os 10 primeiros na subcategoria Qualidade do Ambiente (11º), a resposta em relação à Saúde e Bem-Estar (21º), Viagens e Transportes (22º) e Vida Digital (24º) não é tão entusiasmante.

No entanto, a maioria dos resultados nestas subcategorias é ainda melhor do que a média: por exemplo, cerca de três em cada quatro expatriados (73%) estão satisfeitos com a acessibilidade dos cuidados de saúde em Portugal (vs. 61% a nível global), 86% estão satisfeitos com as oportunidades de viagem (vs. 84% em todo o mundo) e 93% concordam que é fácil obter um número de telefone móvel local (vs. 87% globalmente).

Leia mais: veja quais são os bairros mais caros do Porto, em Portugal.

Os três destinos com pior classificação na lista dos melhores países para expatriados

O Kuwait (59º) não apenas vem em último lugar no Índice de Qualidade de Vida, mas também está entre os 5 últimos lugares na maioria das subcategorias. Quase três em cada cinco expatriados no Kuwait (58%) estão insatisfeitos com as opções de lazer locais, em comparação com 14% em todo o mundo; 29% estão insatisfeitos com as oportunidades de viagem (vs. 7% globalmente), outros 58% classificam o ambiente natural negativamente (vs. 8% globalmente) e 37% consideram os cuidados de saúde muito caros, em comparação com cerca de um em cada cinco (21%) no mundo todo.

Classificada em 58º lugar entre 59 destinos no índice, a Índia é ainda o país com pior classificação em todo o mundo quando se trata de Qualidade do Meio Ambiente (59º): dois em cada três expatriados (67%) avaliam a qualidade do ar local desfavoravelmente, em comparação com 20% globalmente e mais da metade (54%) atribuem ao fator água e saneamento uma classificação negativa (contra 12% em todo o mundo). Expatriados na Índia também estão insatisfeitos com sua segurança pessoal (18% de respostas negativas contra 8% globalmente) e a estabilidade política do país (32% contra 16% globalmente).

O Egito – que ocupa o 57º lugar entre 59 países no Índice de Qualidade de Vida – está em último (59º) na subcategoria Vida Digital. Por exemplo, cerca de um em cada três expatriados (34%) lutam para obter acesso à Internet de alta velocidade em casa (vs. 12% globalmente), quase a mesma parcela (32%) está insatisfeita com as opções de pagamento sem dinheiro (vs. 9% em todo o mundo), e até três em cinco (60%) estão insatisfeitos com a disponibilidade de serviços governamentais online, em comparação com 21% globalmente. Além disso, o Egito também fica entre os 10 piores em Felicidade Pessoal (55º), Qualidade do Meio Ambiente (55º) e Saúde e Bem-Estar (52º).

Tendências regionais nas dez primeiras posições dos melhores países para expatriados

A maioria dos 10 principais destinos estão localizados na Europa, embora estejam espalhados por todo o continente. Na Europa Central, a Áustria (2ª) é seguida pela República Tcheca (7ª) e a vizinha Suíça (9ª). Como a Áustria, a República Tcheca se sai muito bem nas subcategorias Viagem e Transporte (4ª) e Saúde e Bem-Estar (6ª). A Suíça até bate a Áustria no que diz respeito à Qualidade do Meio Ambiente (4º): 99% dos expatriados amam o meio ambiente natural na Suíça (contra 84% globalmente).

No sul da Europa, a Península Ibérica está indo muito bem. Além de Portugal (3º), a Espanha (8º) também figura no top 10. Chega a ocupar o 1º lugar de 59 na subcategoria Opções de Lazer, alguns lugares à frente de Portugal (4º). Com a Finlândia (4º) e a Dinamarca (10º), também há dois países do Norte da Europa entre os 10 primeiros do índice. Ambos estão entre os 5 primeiros em Segurança e Proteção, bem como Vida Digital.

Fora da Europa, Taiwan (1º) e Austrália (6º) representam a região Ásia-Pacífico. Embora Taiwan fique em primeiro lugar, a Austrália obtém resultados mais fortes em algumas subcategorias, especialmente para suas opções de lazer (5º vs. 17º para Taiwan). Na Austrália, quase nove em cada dez expatriados (87%) avaliam as atividades de lazer locais positivamente (vs. 72% globalmente). O Canadá é o único outlier geográfico. Chegando em quinto lugar na qualidade de vida geral, apresenta melhor desempenho na subcategoria Vida Digital (4º).

No entanto, não existem tendências claramente discerníveis entre os dez últimos – com uma exceção. Embora existam destinos de expatriados na Europa, África do Norte e Subsaariana, Oriente Médio e Ásia apresentados neste grupo, as Américas não estão representadas de forma alguma. Aqui, o Brasil é o país com pior avaliação, ocupando o 46º lugar.

No pódio: os vencedores da subcategoria dos melhores países para expatriados

Devido ao número relativamente alto de fatores de classificação que compõem o Índice de Qualidade de Vida, os vencedores gerais não necessariamente vêm em primeiro lugar em todas as subcategorias. Portanto, vale a pena dar uma olhada mais de perto nos diversos destinos bem avaliados.

Nas subcategorias Vida Digital e Qualidade do Meio Ambiente, as 3 primeiras são dominadas pelos países do Norte da Europa. A Finlândia é o número um mundial em ambos. Por exemplo, tem as melhores classificações para acesso irrestrito a serviços online (95% positivo vs. 84% globalmente) e qualidade do ar local (97% positivo vs. 66% mundial). É seguido pela Estônia (2ª) e Dinamarca (3ª) na subcategoria Vida Digital, e pela Noruega (2ª) e Suécia (3ª) para a Qualidade do Meio Ambiente.

Os 3 principais países na subcategoria Opções de Lazer estão todos localizados em climas mais quentes e ensolarados. Como mencionado acima, a Espanha ocupa o primeiro lugar mundialmente, graças ao clima e clima locais, entre outras coisas: 94% dos expatriados na Espanha avaliam este fator positivamente (vs. 66% globalmente). México (2 °) e Grécia (3 °) não ficam atrás.

O México é o destino onde os expatriados estão mais satisfeitos com suas atividades pessoais de socialização e lazer (80% positivos vs. 67% em todo o mundo), e muitos entrevistados na Grécia gostam do “ritmo tranquilo, onde você realmente pode aproveitar a vida”, como diz um expatriado dos EUA.

Como número um na subcategoria Saúde e Bem-estar, o forte desempenho de Taiwan já foi discutido acima. Em segundo e terceiro lugar, respectivamente, a Coreia do Sul e a França também combinam um sistema de saúde acessível com alta qualidade de atendimento médico. Em ambos os países, mais de oito em cada dez expatriados avaliam esses fatores positivamente.

O principal destino para Viagem e Transporte também foi mencionado antes. A Áustria (1ª) é seguida pela vizinha Suíça (2ª) e o hub de expatriados Singapura (3ª) nesta subcategoria. Singapura também obtém as melhores classificações mundiais por sua infraestrutura de transporte: surpreendentes 99% julgam esse fator favoravelmente, em comparação com 76% globalmente.

E embora o número um em Segurança e Proteção não apareça entre os 3 primeiros no ranking do índice, ele emergiu como o vencedor em várias outras subcategorias – é a Finlândia (1ª) novamente! Desta vez, porém, é seguido por dois hotspots de expatriados: Cingapura (2 °) e Emirados Árabes (3 °). Cingapura chega a ficar em primeiro lugar entre 59 em segurança pessoal: nenhum entrevistado (0%) se sente inseguro na cidade-estado (vs. 8% globalmente).

Por último, México (1º), Costa Rica (2º) e Portugal (3º) se saem melhor na subcategoria Felicidade Pessoal. Enquanto Portugal também ocupa o terceiro lugar no índice geral, o México apenas ocupa um 31º lugar ligeiramente abaixo da média. Ele até termina entre os 10 destinos mais baixos em Segurança e Proteção (51º), mas tem alguns dos expatriados mais felizes do mundo: 89% dos entrevistados no México estão felizes com a vida em geral, em comparação com 75% no mundo todo.

Melhores países para expatriados em relação ao trabalho: de empregos seguros a economias em declínio

Os vencedores em 2021 – oferecendo invejável segurança no emprego e equilíbrio entre trabalho e vida pessoal – não são estranhos ao top 10 do Working Abroad Index, enquanto três países mediterrâneos terminam em último.

Metodologia para determinar os melhores países para expatriados em relação ao trabalho

Para determinar a classificação no Índice de Trabalho no Exterior, os entrevistados foram solicitados a classificar seis fatores que foram agrupados em três subcategorias: Economia e Segurança no Trabalho, Perspectivas de Carreira e Satisfação e Trabalho e Lazer. Cada um desses fatores foi classificado em uma escala de um (muito ruim) a 7 (muito bom). O índice inclui 59 destinos de expatriados, com pelo menos 50 respondentes necessários para que um destino seja incluído nos resultados.

Uma perspectiva brilhante de emprego em Taiwan

Taiwan, o vencedor geral em 2021, também está na liderança no Índice de Trabalho no Exterior. Taiwan está consistentemente classificado em alta neste índice. Os entrevistados estão especialmente satisfeitos com sua segurança no emprego – 83% avaliam isso favoravelmente (vs. 61% em todo o mundo). Dois em cada cinco (40%) estão completamente satisfeitos a este respeito (vs. apenas 24% globalmente).

Uns impressionantes 85% também estão satisfeitos com o estado da economia local, em comparação com 62% em todo o mundo. O sucesso de Taiwan em conter rapidamente a pandemia de COVID-19 resultou em uma perspectiva de emprego muito brilhante para seus residentes. Mais de dois em cada cinco expatriados em Taiwan (41%) não poderiam estar mais felizes com seu trabalho, que é quase o dobro da média global (22%).

Curiosamente, apenas 51% relatam ser capazes de trabalhar remotamente (vs. 78% globalmente). Para outros 15%, o empregador não permite trabalho remoto (vs. 6% em todo o mundo). Em qualquer caso, seja em casa ou no escritório, os expatriados em Taiwan com um cargo de tempo integral trabalham consideravelmente menos horas por semana do que a média global (39,9 contra 43,2). E embora nem sempre haja uma conexão direta entre o número de horas de trabalho semanais e a satisfação com esse fator, a maioria dos expatriados em Taiwan o avalia positivamente (74% vs. 66% globalmente).

Melhores países para expatriados — Equilibrando trabalho e vida na Nova Zelândia

A Nova Zelândia vem em segundo lugar em 2021, com resultados especialmente impressionantes quando se trata de equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Com 83% geralmente satisfeitos a este respeito (vs. 66% globalmente), perto de dois em cinco (39%) estão completamente satisfeitos com seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal (vs. 25%).

Expatriados na Nova Zelândia também sentem que seus empregos são bastante seguros, com pouco mais de quatro em cada cinco (81%) avaliando sua segurança no emprego de forma favorável (vs. 61% globalmente). As perspectivas também são boas para quem busca mudança, com 64% avaliando positivamente as oportunidades de carreira locais, cerca de 20 pontos percentuais acima da média global (45%).

Em termos de trabalho remoto, apenas 62% relatam poder trabalhar em casa (vs. 78% globalmente). Por quase o dobro da média global (30% vs. 16%), isso não é possível devido à natureza do seu trabalho. Uma razão para isso pode ser os 26% que trabalham na área de saúde (vs. 6% em todo o mundo). E como a Nova Zelândia também foi capaz de conter rapidamente a pandemia de COVID-19, poder trabalhar remotamente não é tão relevante em termos de saúde e segurança pessoal.

Saiba mais: Cartão Europeu de Seguro Doença, saiba como funciona e quem pode utilizar.

A República Tcheca fica entre os 3 primeiros na lista dos melhores países para expatriados

Desde 2017, a República Tcheca tem se classificado consistentemente entre os 3 primeiros do Índice de Trabalho no Exterior, e 2021 não é exceção. Obtém seus melhores resultados na subcategoria Trabalho e Lazer. Mais de quatro em cada cinco (82%) estão geralmente satisfeitos com suas horas de trabalho (vs. 66% globalmente). Os expatriados em posições de tempo integral trabalham em média 41,5 horas por semana no país, em comparação com uma média global de 43,2 horas.

Quatro em cada cinco (80%) também estão satisfeitos com o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, uma afirmação com a qual apenas um pouco menos de dois terços (66%) concordam em todo o mundo. Três quartos (75%) avaliam positivamente o estado da economia local, em comparação com apenas 62% em todo o mundo. Quase três em cada cinco expatriados (59%) avaliam positivamente as oportunidades de carreira locais (em comparação com 45% globalmente).

Impressionantes 93% dos expatriados que trabalham na República Tcheca dizem que podem fazer isso remotamente (contra 78% em todo o mundo). Uma razão para esse resultado pode ser a participação acima da média do país em relação aos expatriados que trabalham por conta própria ou freelancers (21% contra 11% globalmente).

Veja mais: dicas fundamentais para quem pretende morar e se instalar no Canadá.

Melhores países para expatriados: Turquia, Itália e Chipre atingem o fundo do poço

Os três países com pior desempenho no Índice de Trabalho no Exterior, Turquia (59º), Itália (58º) e Chipre (57º), acabam também entre os 10 últimos na classificação geral. No que diz respeito a trabalhar no exterior, a Turquia tem consistentemente classificado entre os 10 piores desde 2017. Em 2021, uma parcela particularmente grande de expatriados – mais do que o dobro da média global – está insatisfeita com o estado da economia local (43% vs. 19% globalmente). A Turquia está atualmente lutando com uma moeda desvalorizada juntamente com o impacto da pandemia COVID-19 sobre o turismo.

O país também ocupa o último lugar na subcategoria Trabalho e Lazer: 32% dos expatriados na Turquia estão insatisfeitos com suas horas de trabalho, o dobro da média global de 16%. Uma brasileira fala da “moeda em colapso, os valores conservadores e rígidos na maioria dos locais de trabalho e as longas jornadas de trabalho”. Curiosamente, no entanto, os expatriados em posições de tempo integral na verdade trabalham menos horas na Turquia do que a média global (41,9 horas por semana contra 43,2).

Desde a primeira pesquisa Expat Insider em 2014, a Itália sempre se classificou entre os 10 últimos lugares do Índice de Trabalho no Exterior. Em 2021, os expatriados que vivem lá estão particularmente insatisfeitos com as oportunidades de carreira locais (56% avaliações negativas vs. 33% globalmente), com 22% as descrevendo como muito ruins (vs. 10% globalmente).

Mais de um terço dos expatriados (36%) não estão satisfeitos com a segurança de seu emprego (vs. 20% em todo o mundo) e 42% dos expatriados atribuem ao estado da economia italiana uma avaliação negativa (vs. 19% globalmente). Em 9%, a taxa de desemprego do país permanece relativamente alta.

No Chipre, apenas cerca de metade dos expatriados (52%) estão geralmente satisfeitos com o seu trabalho (vs. 68% globalmente). Na verdade, quase um quinto (19%) está completamente insatisfeito com esse aspecto de sua vida no exterior (vs. 5% globalmente). Um quarto também está insatisfeito com suas horas de trabalho (25% contra 16% em todo o mundo). Além disso, o Chipre ocupa o último lugar em segurança no emprego, com 22% dando a este fator a pior classificação possível (vs. 7% globalmente).

Cidadania italiana: um guia completo para você fazer a sua.

Principais opções de carreira e falhas de equilíbrio entre vida profissional e pessoal

Quanto às três subcategorias do Índice de Trabalho no Exterior na lista dos melhores países para expatriados, a Irlanda ocupa o primeiro lugar na subcategoria Perspectivas de Carreira e Satisfação, com os expatriados particularmente satisfeitos com as oportunidades de carreira. Sete em cada dez (70%) atribuem a este fator uma classificação positiva (vs. 45% globalmente), com quase o dobro da média global mesmo dizendo que são muito bons (25% vs. 13% mundial).

Os EUA vêm em segundo lugar, com quase um quarto (24%) dando às oportunidades de carreira locais a melhor classificação possível (vs. 13% globalmente). Na outra ponta do espectro, o Kuwait vem em terceiro a último nesta subcategoria: mais de quatro em cada dez expatriados (42%) avaliam suas oportunidades de carreira locais negativamente (vs. 33% globalmente).

Luxemburgo lidera a subcategoria Economia e Segurança no Trabalho e é o vencedor claro em relação ao estado da economia local. Mais da metade dos entrevistados (53%) dizem que é muito bom (vs. 20% globalmente) e dois terços (67%) estão satisfeitos com a segurança no emprego (vs. 61% globalmente). A China vem em segundo lugar nesta subcategoria, com 87% satisfeito com a economia local (contra 62% no mundo todo).

A África do Sul, no entanto, ocupa o último lugar tanto na subcategoria quanto no estado da economia local, com 18% até mesmo descrevendo o último como muito ruim (vs. 4% global). Na Grécia – que ocupa a 57ª posição na subcategoria – mais de quatro em cada dez expatriados (43%) também classificam o estado da economia local de forma negativa (vs. 19% em todo o mundo), e 32% estão preocupados com a segurança do emprego (vs. 20% globalmente).

Dois países escandinavos ocupam os primeiros lugares na subcategoria Trabalho e Lazer. Quase metade dos expatriados na Dinamarca (49%) estão completamente satisfeitos com suas horas de trabalho (vs. 27% globalmente), e 44% não poderiam estar mais felizes com seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal (vs. 25% em todo o mundo). A Noruega vê resultados semelhantes, com 42% totalmente satisfeitos com suas horas de trabalho.

O Kuwait também se classifica mal nesta subcategoria, com 12% muito insatisfeito com seu equilíbrio entre vida pessoal e profissional (vs. 4% globalmente). No Japão, apenas metade dos expatriados (50%) está feliz com suas horas de trabalho (vs. 66% em todo o mundo). Expatriados em posições de tempo integral trabalham em média 44,9 horas por semana lá, em comparação com 43,2 horas no mundo todo. Como disse um americano: “O equilíbrio entre vida pessoal e profissional aqui é horrível”.

Leia mais: conheça o guia do governo do Canadá para aplicação nos novos programas de imigração do país.

Tendências nos 10 primeiros melhores países para expatriados e nos piores

Todos os 10 principais destinos do Índice de Trabalho no Exterior podem ser encontrados nas regiões da Europa ou do Pacífico Asiático. O Vietnã (9º) ocupa o primeiro lugar em satisfação geral no trabalho. A Austrália (10º) – assim como a Nova Zelândia – se sai muito bem em termos de oportunidades de carreira locais, onde está em quinto lugar. A Alemanha (6º) ocupa o primeiro lugar em segurança no emprego, onde aparece em sexto lugar.

Todos os dez piores têm um desempenho ruim na subcategoria Perspectivas de carreira e satisfação. O Egito (53º) tem o pior desempenho em oportunidades de carreira locais, chegando em 56º lugar. A Espanha (51º) apresenta os piores resultados em satisfação geral e segurança no trabalho (53º lugar para ambos).

Cláudio Abdo

Cláudio é brasileiro e mora em Portugal desde 2014. Mestre em Ciências da Comunicação e Doutor em Estudos de Comunicação, é apaixonado por rock and roll e conheceu o beatle Paul McCartney pessoalmente. Sempre com uma boa história na ponta da língua, escrever é uma de suas paixões. Cláudio é autor do livro “Morar fora: sentimentos de quem decidiu partir”.

blank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *